Aguarde...

Finanças | 10/04/2012 07:37

Quem pode se considerar rico no Brasil

Entenda os critérios usados pelos institutos de pesquisa para definir quem faz parte da classe A e saiba em qual estrato econômico você está inserido

Getty Images

Golfista profissional

Pesquisas de segmentação em classes econômicas revelam que não é preciso ter muito dinheiro para ser considerado rico no Brasil

São Paulo – Poucas perguntas são tão difíceis de responder sobre qualquer pessoa quanto em qual classe econômica ela está inserida – com exceção dos muito ricos e muito pobres. Mesmo sendo padronizados, os critérios utilizados para segmentar a população por diversos institutos de pesquisa (como Nielsen, Ipsos, Ibope e Datafolha) são tão polêmicos que o próprio entrevistado quase nunca concorda com a própria classificação ao saber dos resultados.

Não há um padrão mundial de classificação, mas, no Brasil, coube à Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep) a missão de elaborar o Critério de Classificação Econômica Brasil. Esse padrão serve como base para a maioria dos questionários sobre o poder de consumo de cada família. A renda média dos brasileiros em cada uma das oito classes econômicas é explicada na tabela a seguir:

Classe econômica Renda média familiar bruta mensal
A1 R$ 12.926
A2 R$ 8.418
B1 R$ 4.418
B2 R$ 2.565
C1 R$ 1.541
C2 R$ 1.024
D R$ 714
E R$ 477

Em relação à tabela, é preciso entender três detalhes importantes. O primeiro é que os valores informados para cada classe social são a renda média e que há uma grande dispersão dentro de cada grupo. Em relação às pessoas que fazem parte da classe A1, há desde famílias que ganham 10.000 reais ao mês até quem embolsa mais de 1 milhão de reais. O número de 12.926 reais é apenas a média.

O segundo fator é que o número da renda média familiar é considerado de baixa qualidade pelas próprias empresas que realizam as pesquisas. Muita gente não revela a renda verdadeira por questões de segurança ou até mesmo desconhecimento. Em algumas famílias, a renda mensal varia tanto que o próprio entrevistado é incapaz de informar a média.

Na verdade, os problemas de ordem prática quando os pesquisadores vão coletar as informações nos domicílios são inúmeros. “Muitas vezes quem vai responder as perguntas é o filho adolescente que não sabe com exatidão a renda dos pais”, diz Luis Pilli, diretor do comitê do Critério Brasil para a Abep.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados