Educação dos seus filhos X Relógio de pulso

São Paulo – Educação é talvez o investimento mais importante que existe, e no Brasil, onde o ensino público básico deixa bastante a desejar, a melhor educação é, por vezes, um serviço bastante caro. Para colocar o filho no colégio com o segundo melhor desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2010 - o Colégio Objetivo Integrado, em São Paulo – uma família teria que desembolsar mais de 100.000 reais em mensalidades, do sexto ano do Ensino Fundamental até o terceiro ano do Ensino Médio. Se não houvesse reajuste algum ao longo dos anos, os estudos custariam cerca de 128.000 reais; se considerados reajustes de 10% (nos últimos anos as escolas brasileiras têm reajustado a mensalidade acima da inflação), o custo saltaria para cerca de 177.000 reais. Com um milhão de reais, uma família consegue mandar cinco filhos para estudarem no Objetivo Integrado a partir do 6º ano até o fim do ensino médio.

Quem não tem filhos para se preocupar, porém, pode preferir gastar 1 milhão de reais em algo um pouco menos nobre, como um relógio de pulso, por exemplo. Mas não é qualquer relógio de pulso. Trata-se de um exemplar raro de um Rolex Oyster Perpetual, fabricado nos anos 50 em ouro rosa 18 quilates. Ele é apenas um dos dois exemplares já fabricados pela marca a exibir data, dias da semana, mês e fase da lua. Por sua exclusividade, o modelo foi vendido por cerca de 1,05 milhão de reais pela casa de leilões Christie’s em 2009.

Tópicos: Bens de consumo, Setores, Indústria, Bilionários, Consumo, Educação financeira, Luxo, Milionários