São Paulo - Em matéria publicada nesta segunda-feira, EXAME.com divulgou uma lista dos carros que dão mais trabalho aos seus donos, de acordo com Pedro Luiz Scopino, diretor do Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios de São Paulo (Sindirepa-SP), que representa 15 mil empresas do setor de reparação de veículos. Três das quatro montadoras citadas na reportagem (Citroën, JAC Motors e Peugeot) se defenderam das críticas feitas. Veja a seguir os principais argumentos usados por elas.

Procurada, a Ford não emitiu nenhum comentário até a publicação desta matéria. 

Citroën

Em nota enviada por meio de sua assessoria de imprensa, a Citroën afirma que a marca tem feito um esforço de pós-venda cada vez mais competitivo e 100% baseado em padrões internacionais de qualidade.

A empresa comenta que os modelos atuais possuem alta complexidade tecnológica, "que exigem ferramentais específicos (investimento) e mão de obra especializada (treinada e capacitada pela fábrica)". A Citroën diz ainda que tem se esforçado para reduzir os custos de manutenção, sendo uma das pioneiras na oferta da revisão com preços fixos, afixada e praticada em todas as suas concessionárias.

A montadora destaca que a marca possui 178 concessionárias completas em todo o Brasil, em todos os Estados brasileiros; que tem garantia de três anos sem limite de quilometragem; e que tem ampla oferta de peças de reposição originais (devido à estrutura criada nos últimos anos), testadas e com garantia de fábrica. 

A companhia também ressalta o fato de: "[...] pelo terceiro ano, o Citroën C3 ser eleito pelo Cesvi Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária – totalmente independente e a maior autoridade nacional no assunto) como o melhor em custo de reparabilidade de seu segmento." 

Sobre a declaração feita pelo diretor do Sindirepa sobre o modelo Citroën C3 ("É um modelo que não tem um amortecimento preparado para aguentar os buracos que temos nas vias aqui do Brasil”), a montadora informa que: "[...] antes de chegar às concessionárias brasileiras, o Novo Citroën C3 passou por 1,4 milhão de quilômetros de testes de validação e rodagens, em condições e circuitos típicos de utilização. No total, 260 veículos participaram das muitas missões de desenvolvimento nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Piauí etc. Um projeto feito no Brasil, por brasileiros, com envolvimento direto de 400 colaboradores."

E acrescenta: "Outro fato muito importante é que, mesmo com 280 mil unidades já comercializadas no mercado brasileiro, nosso Serviço de Atendimento a Clientes (SAC) não possui nenhum histórico significativo de queixas referentes a conjuntos de suspensão do modelo. Desta forma, podemos afirmar que o Citroën C3 oferece um conjunto de suspensões 100% desenvolvido e adequado às condições locais."

Veja as respostas da JAC Motor e da Peugeot na próxima página. 

JAC Motors

Por meio de sua assessoria de imprensa, a JAC Motors manifestou que seus carros têm seis anos de garantia e que os primeiros carros da JAC foram vendidos há dois anos e meio no mercado brasileiro, portanto não há nenhum carro da marca fora da garantia.

Sendo assim, segundo a assessoria, "se um carro está na garantia, parece óbvio – e os pouco mais de 50 mil carros da JAC ainda estão – que o dono só o leve em concessionárias. Como ele [o diretor da Sindirepa] menciona algo tão crítico sem ter qualquer condição de fazê-lo? Ou seja: qual o parâmetro/amostragem que ele usou para emitir juízos tão opinativos?". 

Eles acrescentam ainda que não há uma linha “paralela” de peças da JAC. "Se você vai a uma loja de peças, você não encontra, fato. Mas tente numa concessionária, que é onde realmente 'interessa' e onde podemos dar garantia no que vendemos."

Peugeot

De acordo com a nota enviada pela assessoria de imprensa da montadora: "80,4% dos clientes da marca manifestaram-se totalmente satisfeitos pelos serviços de pós-venda prestados pelas concessionárias no país. Esse índice foi apontado por um estudo independente contratado pela montadora para medir o nível de satisfação de seus consumidores no período dos últimos três meses."

Segundo a Peugeot, dos veículos citados na matéria, o 206 foi, e o 207 e o 208 são fabricados na planta industrial de Porto Real (RJ). Para isso, os três modelos foram submetidos a um processo de adaptação às condições das vias brasileiras que inclui o redimensionamento do conjunto de suspensão. "O 208 nacional, por exemplo, teve a suspensão elevada em 10 mm, justamente para atender a uma necessidade de rodagem no Brasil", diz a nota. 

Eles prosseguem dizendo que os modelos 308 e 408 mantiveram-se com o menor tempo e o mais baixo custo de reparo entre os veículos de mesma categoria comercializados no mercado brasileiro, de acordo com testes realizados pelo Cesvi Brasil. E o 208 está entre os três veículos de sua categoria com o menor custo e tempo de reparo.

A assessoria diz ainda que a partir do 208, todos os modelos da Peugeot comercializados no Brasil possuem três anos de garantia e acesso ao Peugeot Assistance, pacote de serviços que garante: assistência exclusiva da marca, disponível gratuitamente em todo o país 24 horas por dia; pacotes de peças e serviços com preços fixados e mão de obra inclusa; e revisões com valores fixados para todos os modelos dentre os mais competitivos do Brasil dentro de seus segmentos de atuação. 

Por fim, a nota ressalta que "a Peugeot disponibiliza ao reparador independente informações técnicas pelo Service Box Reparador Independente, via http://public.servicebox.peugeot.com. O serviço dá acesso ao catálogo eletrônico de peças da montadora. Esses profissionais cadastrados no banco de dados da Marca recebem mensalmente um boletim técnico dos produtos comercializados no Brasil e conta também com informações como peças e promoção."

Tópicos: Carros, Autoindústria, Veículos, Montadoras, Empresas, Citröen, Peugeot Citroën, Ford, Empresas americanas, JAC, Peugeot, Empresas francesas