Dúvida do internauta: Investir até 250 mil reais em CDBs de bancos médios, como o Sofisa ou o Ficsa, é seguro? 

Resposta de Fabiano Pessanha*:

Uma das alternativas mais comuns de investimento para a pessoa física são os investimentos em Certificados de Depósito Bancário (CDB), que são títulos de renda fixa emitidos por bancos e indexados ao CDI (taxa que acompanha a variação da Selic). Esses títulos ganharam popularidade ao longo do tempo por possuir algumas vantagens quando comparados aos fundos de investimento em renda fixa, como não cobrar taxas de administração e de performance.

Recentemente, muitos bancos de menor porte têm usado esse mecanismo de investimento para baratear a sua captação de recursos, já que eles possuem também outra grande vantagem - a garantia do FGC (Fundo Garantidor de Credito).

O FGC tem um papel importantíssimo no Sistema Financeiro Nacional por ser uma entidade privada que administra um mecanismo de proteção aos correntistas dos bancos que permite recuperar os depósitos ou créditos mantidos em instituição financeira, em caso de intervenção, de liquidação ou de falência.

Em outras palavras, eu considero seguro investir em CDBs de bancos de menor porte, como o Ficsa e o Sofisa. Mesmo que seu banco tenha problemas financeiros e risco de falência, você está “segurado” até o valor de 250 mil reais por CPF por instituição financeira.

Mas, sua decisão deve contemplar duas questões. A primeira é que casos passados mostram que o FGC pode demorar a pagar o reembolso e o investidor pode deixar de ganhar rendimentos em outras aplicações durante este período. O próprio FGC já afirmou que a restituição demora pelo menos 30 dias

E a segunda questão é que, ainda que seja muito improvável, se o setor financeiro sofrer um colapso geral, o FGC pode não ter condições de socorrer a todos os investidores e nesse caso o prejuízo seria inevitável.

Por isso, ainda que o investimento nos CDBs dos bancos médios seja mais rentável, se você for conservador, o ideal é que você não destine todos seus recursos apenas a esse tipo de aplicação como forma de prevenção.  Ao investir apenas parte da sua renda destinanda a investimentos em CDBs, caso ocorra algum problema no socorro do FGC, o prejuízo será parcial.

Vale também comentar a rentabilidade desse tipo de produto. O investimento em CDBs vem se intensificado após a aprovação em maio desse ano do aumento do limite de garantia do FGC de 70 mil reais para 250 mil reais. No entanto, apesar de ter algumas vantagens em relação aos fundos de renda fixa, a maior parte dos bancos oferece remunerações baixas para investimentos inferiores a 50 mil reais, muitas vezes inferiores a 80% do CDI.

Como sugestão de otimização de portfólios sugiro buscar instituições financeiras especializadas em atendimento de pessoa física que apresentem alternativas de CDBs com taxas superiores a 100% do CDI. Essas taxas raramente são encontradas em bancos comerciais de grande porte, mas podem ser disponibilizadas em muitas corretoras e nos bancos de menor porte, como os citados na sua pergunta.

Ao investidor cabe uma única e a mais importante decisão – escolher qual será a instituição financeira que prestará o melhor serviço de orientação a seus clientes. Boas escolhas!

Veja no vídeo a seguir como funciona o investimento em CDBs:

*Fabiano Pessanha, CFP é gerente comercial da Geração Futuro Corretora de Valores e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner) concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF).

Dúvidas, observações ou críticas sobre esta resposta de especialista? Deixe seu comentário abaixo!

Envie outras perguntas sobre aposentadoria para seudinheiro_exame@abril.com.br.

Tópicos: CDB, Dicas de finanças pessoais, FGC, Investimentos pessoais