Aguarde...

Aplicações | 24/10/2012 06:30

Como investir R$ 1 milhão para ganhar da inflação?

Internauta ganhou herança e pergunta como investir sem altos riscos para superar a inflação

Editado por Priscila Yazbek, de

Stock.xchng

Pilhas de moedas

Dinheiro: Especialista recomenda investimentos atrelados ao mercado imobiliário

Dúvida do internauta: Eu ganhei uma herança de família de aproximadamente 1 milhão de reais. Mas meu padrão de vida é estável e pretendo investir esse dinheiro. Queria uma sugestão de investimento que faça meu dinheiro render a um nível igual ou acima da inflação, sendo que não tenho paciência e, muito menos, tempo para investir na bolsa. Busco investimentos sem muitos riscos.

Resposta de Fabiano Pessanha*: 

Ao longo dos últimos anos, com o crescimento da economia e a estabilização de nossa moeda, o brasileiro conseguiu atingir um crescimento substancial de seu patrimônio.

Pesquisas mais recentes informam que no topo da pirâmide social já existem aproximadamente 165 mil pessoas, com patrimônio em contas bancarias superior a 1 milhão de reais. E a previsão é de uma expansão de 20% nos próximos cinco anos.

Com estes números em mente é possível imaginar o quanto haverá de novos milionários brasileiros interessados em conhecer as alternativas existentes no mercado financeiro.

Com a queda da taxa de juros, e buscando manter uma rentabilidade acima da inflação, se faz necessário buscar alternativas aos produtos mais básicos oferecidos pela rede bancária. Um desses investimentos que vem ao encontro desse objetivo são produtos atrelados ao mercado imobiliário, como os Fundos de Investimento Imobiliários (FIIs) e os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs).

Os fundos imobiliários são fundos para aplicação em ativos imobiliários, geralmente com prazo indeterminado de duração. Neste tipo de investimento o investidor recebe rendimentos distribuídos mensalmente, mantendo um fluxo frequente de renda.

Já os CRIs são títulos de renda fixa de longo prazo, com lastro em um empreendimento imobiliário, que pagam juros ao investidor, em geral decorrentes de contratos de compra e venda com alienação fiduciária do Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) e/ou da renda decorrente de aluguéis provenientes de contratos de locação.

Para você, que não precisa utilizar este investimento a curto prazo, e gostaria de manter uma renda regular do seu investimento, acredito que vale a máxima de não incluir “todos os ovos em uma única cesta”, mesclando uma parcela de seu investimento entre ativos de renda fixa com alta liquidez, como os fundos de crédito privado e os fundos multimercados com baixa volatilidade, anexando também a seu portfólio os produtos imobiliários, como os fundos imobiliários e os CRIs.

Para investir corretamente seu patrimônio, em busca do melhor percentual de alocação entre os ativos apresentados acima, busque a orientação de um consultor financeiro qualificado e faça a análise de seu perfil de investidor de forma correta.

E lembre-se: o resultado do seu sucesso financeiro também depende de você!

*Fabiano Pessanha, CFP é gerente comercial da Geração Futuro Corretora de Valores e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner) concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF).

Dúvidas, observações ou críticas sobre esta resposta? Deixe um comentário abaixo!

Envie outras dúvidas financeiras para seudinheiro_exame@abril.com.br.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados