Sela de Pancho Villa sai por 718.000 dólares

S%26atilde;o Paulo %26ndash; Muita gente pode afirmar que o preço de uma relíquia reflete mais seu valor histórico do que a real utilidade do objeto. É verdade. Mas, para quem sabe dar o devido valor ao dinheiro, é impossível não ficar com a sensação de que muitas das transações envolvendo peças de colecionador que acontecem todos os dias são um flagrante desperdício de dinheiro.

O site americano Business Insider publica todas as semanas notícias de gente que desembolsa dezenas ou centenas de milhares de dólares por alguma velharia (veja nesta e nas próximas páginas algumas delas). Ao ler uma reportagem como essa, é bem fácil se sentir até um pouco ofendido ao refletir sobre melhores usos que poderiam ser dados ao mesmo dinheiro.

Entre os negócios fechados no mês passado, um que chamou muito a atenção foi a venda de uma sela usada pelo cavalo de Pancho Villa, vendida por 718.000 dólares em um leilão. O artefato foi confeccionado pelo próprio Pancho Villa em 1923, meses antes de ele ser assassinado em uma emboscada armada por tropas de governo que combatiam a Revolução Mexicana. 

Tópicos: Consumo, Educação financeira, Leilões, Patrimônio pessoal