São Paulo – Manter um carro não é barato. São gastos com impostos, manutenção, seguro, combustível, estacionamento, além de outros gastos variáveis e imprevisíveis. Por isso, fica a dúvida se financeiramente não é mais vantajoso abandonar o carro e usar apenas táxis. Para solucionar a questão, EXAME.com realizou, em parceria com a escola de educação financeira Academia do Dinheiro, uma comparação sobre os custos anuais de manter um carro e de utilizar táxis para ir e voltar do trabalho em dias úteis em Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro. Como conclusão, o levantamento mostra que nesses locais, em média, quem percorre até 10,5 quilômetros por trecho, gasta menos se utilizar apenas táxis.

Mauro Calil, consultor financeiro e fundador da Academia do Dinheiro, afirma que a comparação pode ser mais interessante para quem já tem um carro e pensa se vale a pena investir na compra do segundo veículo. “Para uma família é importante ter um carro porque pode haver alguma emergência e não ter um carro nessas horas pode ser um problema. Mas, se a família já tem um carro, ela pode pensar em apenas o marido ou a esposa andar de carro e o outro usar táxi. Assim, eles podem economizar mais e em vez de ter dois carros populares, podem até pensar em ter apenas um único carro, mais confortável e com isso ter um aumento de status”, explica. 

Veja na tabela abaixo até qual distância percorrida por trecho seria mais vantajoso andar de táxi em cada localidade. 

Cidade São Paulo Curitiba Belo Horizonte Rio de Janeiro Brasília Média
Quilometragem máxima percorrida por trecho par ser mais vantajoso andar de táxi 7,5 km/trecho 9,5 km/trecho 8 km/trecho 14,5 km/trecho 13 km/trecho 10,5 km/trecho
Custo anual do carro 12.237,78 12.411,41 11.914,66 15.685,17 14.144,68 13.278,74
Custo anual de táxi 12.064,80 12.144,00 11.520,96 15.496,80 14.097,60 13.064,83

Abaixo, veja os gastos anuais de manter um carro. Na página seguinte, os gastos anuais de se locomover apenas de táxi. Os custos mostrados nas duas tabelas a seguir consideram para cada cidade as quilometragens máximas percorridas por trecho para ser mais vantajoso andar de táxi, conforme os dados da tabela acima. Isto porque, se fossem usadas nas tabelas distâncias pelo menos 0,5 quilômetro maiores, o uso do táxi já deixaria de ser a opção mais barata. 

Cidade São Paulo Curitiba Belo Horizonte Rio de Janeiro Brasília
Valor do carro (R$) 30.000,00 30.000,00 30.000,00 30.000,00 30.000,00
Distância percorrida  7,5 km/trecho 9,5 km/trecho 8 km/trecho 14,5 km/trecho 13 km/trecho
Depreciação Anual (%) 8,00% 8,00% 8,00% 8,00% 8,00%
Depreciação Anual (R$) 2.400,00 2.400,00 2.400,00 2.400,00 2.400,00
Combustivel (R$/litro) 2,620 2,489 2,692 2,813 2,829
Consumo (km/Litro) 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00
Combustivel Anual (R$) 2.137,92 2.572,63 2.343,12 4.437,79 4.001,34
Licenciamento (R$) 62,70 58,14 66,38 96,22 62,70
Seguro Obrigatório (R$) 101,16 101,16 101,16 101,16 101,16
IPVA (R$) 1.200,00 750,00 1.200,00 1.200,00 1.050,00
Manutenção anual (R$)  1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00
Seguro Anual (R$) 1.450,00 1.450,00 1.450,00 1.450,00 1.450,00
Estacionamento Anual (R$) 3.686,00 3.879,48 3.154,00 4.800,00 3.879,48
Custo Anual do Carro (R$) 12.237,78 12.411,41 11.914,66 15.685,17 14.144,68
Cidade São Paulo Curitiba Belo Horizonte Rio de Janeiro Brasília
Distância percorrida por trecho  7,5 km/dia 9,5 km/dia 8 km/dia 14,5 km/dia 13 km/dia
Bandeirada (R$) 4,10 4,00 3,90 4,70 3,30
Tarifa (R$/km) 2,50 2,00 2,24 1,70 1,80
Preço por corrida (R$) 22,85 23,00 21,82 29,35 26,70
Corridas no mês (1 ida e 1 volta) 44 44 44 44 44
Custo anual do táxi (R$) 12.064,80 12.144,00 11.520,96 15.496,80 14.097,60

Considerações

Segundo Mauro Calil, a comparação é válida para um carro comprado à vista. Ele explica que se fossem adicionadas ao custo do carro parcelas para aquisição do veículo e juros do financiamento, a utilização do táxi seria a opção mais econômica para percorrer distâncias ainda maiores por dia. 

Também vale ressaltar que se os gastos com táxi fossem considerados apenas para percursos com tráfego lento, o uso do táxi seria menos vantajoso em relação ao carro, uma vez que mesmo parado, o taxímetro continua rodando. 

Calil comenta que, além de observar o que pode ser mais vantajoso economicamente, ainda existem outros benefícios de usar um meio de transporte ou outro, que não estão relacionados diretamente aos gastos. Ele afirma que algumas vantagens do táxi seriam não se preocupar com estacionamento e poder usar o celular, ler um livro ou estudar enquanto o motorista está dirigindo. E por outro lado, as vantagens do carro seriam não ter dificuldade para achar um táxi, principalmente nas horas de rush, durante a madrugada ou em locais mais afastados. 

"A conclusão que eu chego é que se tratando do primeiro carro, eu não abdicaria do uso do carro para usar táxi, principalmente por ser pai de família. Mas, do segundo carro em diante, se a distância percorrida tornar mais vantajoso usar o táxi, vale a pena abrir mão do carro", avalia Calil. 

Metodologia do levantamento

Para a comparação, foi considerado um carro popular, no valor de 30.000 reais. Foi utilizada uma depreciação de 8% ao ano, que seria uma desvalorização válida para um carro popular, segundo a Academia do Dinheiro. Como os carros populares costumam se desvalorizar menos do que carros mais caros e luxuosos, usando a depreciação desses carros como parâmetro, é possível observar quando vale mais a pena usar táxi, mesmo que a depreciação, e consequentemente o custo do carro, sejam os menores possíveis. 

As alíquotas de IPVA foram consultadas nas Secretarias de Fazenda de cada estado, assim como a taxa de licenciamento foi consultada nos Detrans estaduais. Em Brasília, há isenção de IPVA para o primeiro ano de uso do veículo para motoristas que não possuem débitos com a Secretaria da Fazenda e nos anos seguintes a alíquota cobrada é de 3,5%. Para não restringir os gastos apenas ao primeiro ano de uso, foi utilizada a alíquota de 3,5%, que abrange os anos subsequentes ao primeiro ano de isenção. 

Sobre o seguro obrigatório, DPVAT, foi considerada a taxa vigente no ano de 2012, de 101,16 reais, válida para veículos de passeio em todo o território nacional. E foi estipulado um gasto com seguro anual de 1.450 reais, que seria uma faixa de preço comum gasta com seguros, segundo a Academia do Dinheiro. 

O consumo foi considerado para um motorista ou passageiro que percorressem duas corridas por dia, apenas para ir e voltar ao trabalho. O combustível usado na comparação foi a gasolina e os preços médios do combustível foram retirados da pesquisa dos preços médios de combustíveis praticados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), referentes ao período do dia 14 ao dia 20 de outubro de 2012. 

O consumo de combustível adotado foi de cinco quilômetros por litro, que seria um consumo factível para o uso do carro em grandes cidades, de acordo com a Academia do Dinheiro. 

Para calcular os gastos com estacionamento, foram usados preços médios da mensalidade verificados em cada cidade, supondo que o motorista more em um imóvel com garagem e pague apenas a mensalidade do estacionamento no trabalho. Para São Paulo e Rio de Janeiro, o preço da mensalidade média foi retirado da pesquisa da consultoria Colliers International. Em Belo Horizonte, foi utilizado o preço médio da mensalidade verificada por um levantamento realizado com mais de 60 estacionamentos da capital mineira pelo site de pesquisa e comparação de preços Mercado Mineiro. Segundo a Associação Brasileira de Estacionamentos (Abrapark), não existem dados que mostrem o preço médio da mensalidade dos estacionamentos em Curitiba e Brasília, por isso, nestes locais, foi usada a média dos preços das mensalidades verificadas em Belo Horizonte, São Paulo e Minas Gerais. 

E por fim, o preço da bandeirada do táxi e os valores cobrados pela quilometragem rodada foram consultados com as prefeituras de cada localidade. E foi usada a tarifa do quilômetro rodado na bandeira 1, válida para corridas entre as 6h e 20h, que seria o preço pago pelo táxi usado em horário comercial.

*Atualizado às 14h43

Tópicos: Carros, Autoindústria, Veículos, Patrimônio pessoal, Renda pessoal, Táxis, Transportes, Mobilidade urbana