São Paulo - Pensamentos aparentemente inofensivos podem se revelar extremamente prejudiciais quando o objetivo é enriquecer. São ideias que se relacionam diretam ou indiretamente com o dinheiro ao tratarem sobre conceitos de riqueza ou sobre seu trabalho e cotidiano.  

A mera atitude de refletir sobre esses pensamentos já pode ser um grande passo para aumentar seu patrimônio.

Steven Siebold, autor do livro "How Rich People Think" (Como os ricos pensam, em tradução livre), aponta, em artigo para o site Business Insider, que mudar a ideia que uma pessoa tem sobre o dinheiro não é suficiente, por si só, para torná-la mais rica. Mas é, certamente, um impulso para que ela passe a trilhar esse caminho.

Veja abaixo seis pensamentos recorrentes que podem prejudicar as finanças:

"Minha casa é o meu maior bem”

A visão de que a casa própria é o bem que mais pode gerar valor é falsa. O imóvel não costuma trazer apenas rendimentos ao proprietário, mas também diversos custos, seja com os juros do financiamento, impostos ou reformas.

É preferível encarar o imóvel mais como um tipo de garantia ou seguro e concentrar esforços em investimentos que geram mais renda do que despesas, aponta o autor americano Robert Kiyosaki, no best seller "Pai rico, pai pobre".

Segundo o escritor, ao mesmo tempo em que o investidor deve buscar aumentar o volume de dinheiro aplicado nesses investimentos, ele deve ficar atento para manter as despesas sob controle. Dessa forma, em pouco tempo ele conseguirá diversificar aplicações e ter acesso a investimentos mais sofisticados (veja os sete erros mais evitados pelos ricos ao investir).

“Ou sou rico ou sou feliz”

Outro pensamento recorrente é o de que não é possível acumular dinheiro e ser feliz ao mesmo tempo, já que, para criar riqueza, seria necessário cortar gastos com lazer, por exemplo.

Mas não é preciso, necessariamente, passar por grandes privações financeiras para construir um patrimônio sólido. Dá para economizar e, ao mesmo tempo, passar bons momentos com a família, diz a educadora financeira Cássia D´Aquino. "Para isso, basta gastar o dinheiro de maneira mais inteligente" (veja 7 dicas práticas para revolucionar suas finanças). 

Para Cássia, o mais importante é sempre ponderar como cada gasto pode impactar seus objetivos financeiros. "O investidor pode até resolver fazer uma viagem. Mas é necessário ter consciência de que, posteriormente, precisará economizar mais ou arranjar outras formas de aumentar sua renda para conquistar o seu objetivo."

“Não consigo comprar isso”

Dizer para si mesmo que uma determinada aquisição ou investimento está fora do alcance é um pensamento realista, mas que pode causar acomodação.

Em vez de dizer essa frase, no livro  "Pai rico, pai pobre" Kiyosaki sugere que ela seja adaptada para: “Como posso adquirir isso?". O objetivo dessa mudança de pensamento não é incentivar o consumo, mas, sim, maneiras de ganhar ou economizar mais dinheiro, que façam com que as compras passem a caber no orçamento.

“Farei isso amanhã”

A procrastinação pode ser extremamente nociva quando o assunto é dinheiro. Não há um momento certo para começar a poupar e investir, principalmente se o objetivo é ter uma aposentadoria tranquila. Quanto mais cedo for iniciada uma aplicação financeira, maior será a sua rentabilidade, ainda que o volume de recursos seja, inicialmente, limitado.

Como existem diversas alternativas de investimentos hoje no mercado com aportes iniciais baixos, não há desculpas para não começar a investir hoje. Um exemplo é o Tesouro Direto. O sistema de compra e venda de títulos públicos aceita aplicações a partir de 30 reais (investir no Tesouro Direto é mais barato do que ir ao cinema). 

Mesmo quem precisa quitar dívidas antes de começar a investir pode desde já concentrar esforços em ampliar os conhecimentos sobre planejamento financeiro

“Nunca serei rico”

O pensamento de que ser rico é algo que está fora do controle e depende de sorte é uma maneira inconsciente de evitar o desafio de acumular dinheiro, diz Cássia D´Aquino. "Como não há nada que se possa fazer para atingir esse objetivo, seguindo essa ideia, o jeito é gastar o dinheiro. Mas sabemos que isso não é verdade" (veja os fatores que levam à riqueza, de acordo com milionários). 

Para ter sucesso nas finanças, é necessário se comprometer com o objetivo, segundo o americano Steven Siebold. Para o autor, ele mesmo um milionário, a receita para acumular riqueza reúne, além de muito esforço, foco, coragem e conhecimento.

“Eu odeio o meu emprego”

Agarrar-se a um emprego que não traz prazer e viver pensando na aposentadoria certamente não deixará ninguém mais rico. As chances de obter a motivação necessária para acumular dinheiro, nesse caso, são reduzidas.

Enquanto para muitas pessoas a paixão é uma consequência do esforço, milionários tendem a pensar que gostar do que se faz é o que, na verdade, dá impulso ao esforço, diz Siebold.

Para o estudioso do comportamento dos milionários, o importante é pensar que é possível acumular riqueza fazendo o que se ama. "Em vez de gastar energias maldizendo o emprego, é preferível canalizá-las para buscar um emprego que traga mais incentivos".

Tópicos: Dinheiro, Educação financeira, Orçamento pessoal, Planejamento financeiro pessoal, Renda pessoal