São Paulo - Grandes sites de comércio eletrônico no Brasil já conseguem coletar dados de consumidores para oferecer descontos direcionados a cada perfil.

Como resultado, os preços no comércio virtual podem mudar ao longo do dia, ou de acordo com a região e o dispositivo utilizado na compra para seguir diferentes estratégias comerciais. "Na Amazon, os preços são modificados a cada dez minutos. Em alguns grandes sites brasileiros, podem mudar a cada hora", diz Pedro Guasti, cofundador da E-bit/Buscapé e diretor de relações institucionais do Buscapé.

Nesse cenário, como saber se a compra é um bom negócio de fato? Basta realizar uma pesquisa adicional que permita verificar, por exemplo, se o varejista está praticando preços diferentes para um mesmo produto.

Para driblar mudanças repentinas de preços, por exemplo, é possível acessar plataformas que permitem monitorar o histórico de preços de cada produto e, dessa forma, checar se o valor está muito acima da média no momento da compra.

Veja a seguir maneiras simples de checar se o preço de um produto divulgado em sites de comércio eletrônico é realmente o mais vantajoso:

1) Use mais de um dispositivo na pesquisa de preços

Grandes varejistas conseguem identificar o tipo de dispositivo que está sendo utilizado em uma navegação: celular, tablet ou notebook.

"Como já foi constatado que há maior probabilidade de uma compra ser concluída pelo celular, os varejistas podem ter estratégias mais agressivas de preços neste canal, que são mais vantajosas para o consumidor", diz Thiago Sarraf, CEO da consultoria Dr. E-commerce. 

Ou seja, ao realizar a pesquisa pelo desktop, celular e tablet o consumidor pode encontrar diferenças de preços e escolher o valor mais baixo. 

2) Navegue de forma anônima

Os sites conseguem saber em qual região o consumidor está acessando o site baseado no endereço IP do computador. "Com essa informação, eles podem oferecer preços mais baixos para consumidores localizados em cidades nas quais a empresa possui um centro de distribuição ou paga menos impostos", diz Pedro Guasti, cofundador da E-bit/Buscapé e diretor de relações institucionais do Buscapé.

Como a situação inversa pode resultar em cobranças adicionais, é possível evitar ser identificado pela região e conseguir visualizar o preço padrão cobrado pelo produto navegando de forma anônima (veja como ativar o modo anônimo em cada navegador).

No entanto, esse recurso pode ser um tiro no pé, diz Guasti, cofundador da Ebit/Buscapé. "O consumidor pode perder descontos que são oferecidos para moradores da sua região, por exemplo." 

3) Faça login nos sites

Se um site de comércio eletrônico permite que você faça um cadastro para ter acesso ao seu histórico de compras, aceite: geralmente, com acesso livre a informações sobre compras anteriores, haverá um maior esforço do site em fidelizar o consumidor. Além de preços menores, pode ser possível obter cupons e outros tipos de benefícios.

4) Pesquise cupons antes de concluir a compra

Ainda que sejam mais comuns nos Estados Unidos, sites especializados na oferta de cupons de desconto já estão se espalhando pelo Brasil e podem ser uma boa fonte de consulta para saber qual loja está, de fato, oferecendo um preço atraente. Alguns exemplos são o Cuponation, a Cuponeria e o Cupons Mágicos (veja como economizar dinheiro usando cupons de desconto). 

Outra opção é o Reduza, que oferece descontos por meio da inserção manual de cupons e parâmetros de descontos fixos que as lojas virtuais oferecem — como, por exemplo, uma loja que ofereça 30 reais de desconto em compras acima de 120 reais. Assim, caso o produto consultado pelo usuário custe acima desse valor, o Reduza irá indicar o desconto.

5) Utilize sites de monitoramento de preços

Buscapé, Bizoo e Baixou são algumas opções de sites que monitoram preços de lojas virtuais e alertam os consumidores caso os valores diminuam.

Além de verificar, por exemplo, se um determinado produto está sendo vendido por um preço acima ou abaixo da média, o serviço permite analisar tendências, como se o site costuma baixar preços do produto em um determinado dia da semana.

O Buscapé, por exemplo, mostra o histórico de preço de um produto até um ano. O Baixou monitora preços nos últimos cinco meses, aproximadamente.

6) Use comparadores

Acessar um site por meio de um comparador de preços pode ser uma forma de obter um desconto de forma instantânea, diz Thiago Sarraf. "Não é algo obrigatório, mas alguns sites oferecem 5% de desconto para consumidores que clicaram no site por meio do comparador. É uma maneira de fisgar consumidores que buscam economizar."

Tópicos: Comércio eletrônico, Consumo, Planejamento financeiro pessoal, Renda pessoal, Internet, Sites