Fundos de renda fixa e ações lideram ganhos em abril

Os maiores ganhos eram dos fundos de ações setoriais, onde se destacam os fundos FGTS Petrobras

Os fundos renda fixa índices, que aplicam em papéis indexados à inflação do Tesouro Nacional (NTN-B) voltaram a ser destaque de ganhos neste mês, beneficiados pela queda dos juros.

Até dia 16, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), esses fundos acumulam ganho de 1,57%, ante 0,53% dos fundos DI.

Os fundos de ações também são destaque, acompanhando a recuperação da bolsa e do Índice Bovespa, que acumulava ganho de 6,89% no mês.

Os maiores ganhos eram dos fundos de ações setoriais, onde se destacam os fundos FGTS Petrobras, que acumulavam 37,22% no mês, juntamente com os fundos da Vale, com 3,09%.

Já os fundos cambiais estão devolvendo parte dos ganhos obtidos nos últimos meses, com queda de 5,92% no mês.

A queda do dólar prejudica os fundos multimercados, que têm posições pesadas na moeda estrangeira, apostando na piora dos fundamentos da economia brasileira.

Na semana, os fundos de investimentos captaram R$ 28,561 bilhões, elevando o acumulado no mês para R$ 37,2 bilhões e, no ano para R$ 37,7 bilhões.

Os fundos Curto Prazo são destaque de captação no mês, com R$ 15,7 bilhões, seguidos dos DI, com R$ 11 bilhões, e os renda fixa, com R$ 6 bilhões.

Os fundos de Previdência captaram R$ 1,391 bilhões no mês até dia 16. Já os fundos de ações perdem R$ 1,518 bilhões no mês e R$ 6,593 bilhões no ano.

Os multimercados, por sua vez, perdem R$ 2,133 bilhões no mês e R$ 19,388 bilhões no ano.