Fundos imobiliários voltam à cena. É hora de investir?

Rentabilidade dos fundos que negociam imóveis impressiona, mas pense duas vezes antes de investir na empolgação

São Paulo – Depois de um período fora de cena, com rentabilidades baixas, os fundos imobiliários voltaram a atrair os holofotes dos investidores. Desde o início do ano, essas aplicações acumulam ganho superior a 25%, segundo o Ifix (Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários), da Bovespa.

Os fundos imobiliários são interessantes para quem pretende em ganhar dinheiro com a renda de aluguéis e a administração de imóveis, porém, em vez de se arriscar sozinho, prefere comprar cotas de um fundo de investimento. Como as cotas desses fundos são negociadas na Bolsa, o investidor também pode ganhar dinheiro com a sua valorização na Bovespa.

Alguns fundos imobiliários também aplicam o dinheiro de investidores em títulos emitidos por bancos para financiar o setor imobiliário, como as Letras de Créditos Imobiliários (LCI), em alta desde o ano passado.

Esse foi um dos motivos que impulsionou crescimento do retorno desses fundos, como explica o economista Daniel Sousa, coordenador do pós-graduação do Ibmec-RJ. Além disso, com o mercado imobiliário em baixa, suas cotas baratearam e atraíram investidores.

A euforia com os fundos imobiliários precisa ser encarada com cautela, na avaliação de Sousa. “Como estão atrelados ao setor imobiliário, um segmento bastante sólido, eles oferecem menos riscos do que o mercado de ações, mas não existe garantia que a rentabilidade alta vai se manter”, explica.

Os fundos imobiliários são indicados para quem pretende diversificar seus investimentos e tem um objetivo de longo prazo, ou seja, não pretende resgatar seus recursos antes de cinco anos. Eles são um bom substituto para quem pretendia investir em um imóvel para alugar ou vender, por exemplo, porque oferecem mais chances de ter uma rentabilidade maior, isenta de Imposto de Renda.

Isso porque os fundos não pagam imposto ao vender os imóveis de suas carteiras e o ganho é distribuído aos cotistas também isento para pessoas físicas. Porém, no caso da venda das cotas, o investidor estará sujeito a IR de 20% sobre o ganho de capital.

Riscos de perda

Apesar da rentabilidade alta, é bom pensar duas vezes antes de investir em um fundo imobiliário, na opinião do professor Michael Viriato, coordenador do laboratório de finanças do Insper.

“Se você não tem estômago para investir em ações na Bolsa, não recomendo comprar cotas de um fundo imobiliário. Ele pode apresentar volatilidade significativa”, alerta. Por não ser um fundo que aplica em renda fixa, sua rentabilidade não é garantida, pois ela dependerá dos imóveis e títulos que o seu gestor decidir negociar. 

Se mesmo assim você quiser tirar aproveitar as altas rentabilidades dos fundos imobiliários, lembre de contratar um gestor de confiança e de comparar as taxas de administração, que podem ser altas em qualquer fundo de investimento.