8 formas de ajudar seu filho a ficar rico

Saiba como gastar tempo e dinheiro em coisas que realmente abrirão portas para ele no futuro

São Paulo – Todo mundo já sabe que ficar rico não é fácil, mas planejar o futuro financeiro e tomar decisões com muita antecedência é sempre a forma mais fácil de atingir seus objetivos. Veja abaixo oito formas de começar a preparar seu filho desde já para que ele possa desfrutar uma vida financeiramente confortável no futuro:

1 – Não eduque demais os filhos

Fazer um mestrado ou um doutorado costuma ser caro e demorado. Isso pode até soar como heresia para muita gente, mas nem sempre o investimento vai valer a pena. No livro “Pai Rico, Pai Pobre”, um dos maiores best-sellers de finanças pessoais da história, os autores Robert Kiyosaki e Sharon Lechter defendem que o caminho mais curto para ficar rico é procurar acumular, o quanto antes, ativos que gerem renda e permitam conquistar a independência financeira. Eles qualificam de “corrida dos ratos” a busca constante por qualificações e títulos em escolas renomadas para conseguir melhores empregos. Do ponto de vista financeiro, dizem, faz muito mais sentido ensinar os filhos a farejar oportunidades nos mercados imobiliário e acionário que possam levar a ganhos maiores e mais rápidos. Em entrevista a Forbes.com, o economista Laurence Kotlikoff, da universidade de Boston, ilustrou essa mesma teoria de outra maneira. Ele afirma que, nos Estados Unidos, o ganho médio de pessoas graduadas em pedagogia ou psicologia não chega à metade do salário de um encanador. Outra vantagem do encanador é a de poder começar a trabalhar e ganhar dinheiro bem mais cedo do que alguém que precisa esperar até a conclusão de um curso superior. Kotlikoff não quer dizer que um diploma universitário ou uma pós-graduação não sejam importantes para ninguém. Mas ele aconselha o investimento na carreira acadêmica a quem adora livros. Quem sonha em ganhar um bom dinheiro precisa adquirir conhecimentos que valham dinheiro no mercado.

2 – Não se endivide para pagar uma faculdade cara demais

Laurence Kotlikoff, da universidade de Boston, também aconselha as pessoas a não se endividar para dar ao filho um curso de graduação em uma faculdade renomada. Há diversas faculdades no Brasil que chegam a cobrar mensalidades que somam 30.000 reais ou mais por ano de seus alunos. A dívida acumulada, seja por meio de empréstimos bancários ou pelo programa governamental de financiamento educacional Fies, poderá superar facilmente os 100.000 reais ao término da graduação. O governo brasileiro oferece duas oportunidades para os jovens estudarem de graça: as universidades públicas e as bolsas do ProUni. Se nenhuma das duas possibilidades estiverem ao alcance dele, não se desespere. Para Kotlikoff, é melhor fazer uma faculdade mais barata do que chegar ao mercado de trabalho bastante endividado. Afinal, diz o professor, talento e ambição são muito mais importantes para alguém ganhar dinheiro do que a escola onde ele estudou.


3 – Dê incentivos financeiros para seu filho tentar ganhar mais dinheiro

Não é fácil começar uma carreira, seja ela qual for. Quem acaba de entrar no mercado de trabalho geralmente não possui qualificações suficientes para ganhar muito dinheiro ou executar tarefas desafiantes. É natural, portanto, que seu filho fique desanimado com os primeiros anos de carreira. Uma forma de convencê-lo a continuar em busca de progresso profissional é dar incentivos financeiros que lhe motivem a buscar maiores rendimentos no futuro. A forma certa de fazer isso é depositar em uma conta que ele não possa movimentar uma quantidade de dinheiro proporcional a seus ganhos. Então, se ele ganha 2.000 reais por mês, você pode complementar a renda em mais 1.000 reais. Quando ele ganhar um aumento, também deposite mais dinheiro para ele. Só permita resgates nessa conta para a realização de sonhos importantes. Essa estratégia gera três benefícios: 1) mantém seu filho mais motivado com o trabalho; 2) cria uma reserva de emergência para ele; e 3) permite ganhos representativos no futuro com o recebimento de juros sobre juros.

4 – Ensine seu filho a cuidar do próprio dinheiro desde cedo

A maioria das pessoas costuma dar pequenas quantias de dinheiro aos filhos para que eles comprem um ingresso de cinema ou um lanche na escola. Ao invés de fazer isso, dê somas maiores de dinheiro uma única vez por mês e deixe ele decidir se vai gastar com uma roupa nova, uma viagem ou saindo à noite. Se ele gastar tudo em uma semana, não sinta culpa em dizer “não” quando ele lhe pedir mais dinheiro. Isso vai ensiná-lo a evitar desperdícios e a gastar com coisas que realmente valem a pena. No futuro, quando ele sair de casa para estudar em uma faculdade, dificilmente vai lhe telefonar para dizer que ficou sem dinheiro e que precisa de ajuda.

5 – Presenteie seu filho com ações

O educador financeiro Mauro Calil é um dos maiores entusiastas da ideia de formar uma poupança para o filho com ações quando ele ainda é muito jovem. Diversos estudos mostram que, no longo prazo, a bolsa costuma dar retornos bem superiores à renda fixa. Ainda que isso nem sempre seja verdade, no longo prazo sempre haverá algum momento de alta no mercado em que será possível vender papéis de empresas sólidas com um bom lucro. Mantidas sob sua própria custódia, essas ações poderão garantir a seus filhos conquistas importantes, como estudos em uma boa faculdade, a compra da casa própria ou a possibilidade de abrir um negócio. Também vai ensinar a seu filho a importância de poupar no longo prazo e procurar aplicações financeiras de maior rentabilidade como a bolsa. Se os juros continuarem em queda no Brasil como se espera, provavelmente seu filho não terá a mesma chance de obter bons ganhos com investimentos de renda fixa como as gerações atuais.


6 – Alerte seu filho sobre os riscos do cartão de crédito

Quando bem-utilizados, os cartões de crédito permitem adiar pagamentos por algumas semanas e ganhar prêmios pela fidelidade a determinadas empresas. O problema é que, no Brasil, o consumidor só é obrigado a pagar 15% da fatura mensal do cartão e pode financiar a amortização do restante tomando o chamado crédito rotativo. O que parece uma facilidade, entretanto, representa uma grande armadilha. Os juros médios cobrados pelas empresas de cartão são absurdos e chegam a 11% ao mês. Alguém que tem uma dívida de 10.000 reais no cartão e decide parcelá-la em 12 vezes terá de desembolsar 18.480 reais para quitar suas obrigações com o banco. A “armadilha”, portanto, terá custado 8.480 reais a seu filho. Não deixe ele cair nessa.

7 – Ajude seu filho a comprar uma casa

Quando seu filho começar a trabalhar, provavelmente logo vai perceber como é difícil comprar um imóvel. Os preços das residências deram um salto no Brasil nos últimos anos, principalmente em grandes capitais como São Paulo e Rio de Janeiro. Apartamentos novos de 100 metros quadrados chegam a custar mais de 1 milhão de reais em bairros nobres dessas cidades. Se você tiver condições de fazer isso, é uma boa ideia pagar a entrada do imóvel e dar ao seu filho a chance de comprá-lo o mais cedo possível. Há diversas razões para isso. Ele usará parte do salário para pagar as prestações de um bem que um dia será dele ao invés de encher os bolsos de outra pessoa pagando as parcelas mensais de uma residência alugada. Seu filho também estará protegido caso o mercado imobiliário brasileiro continue em alta. Presenteá-lo em vida também é uma forma de fugir dos custos de transmissão de herança, como inventário e impostos. Por último, se ele tiver comprado um imóvel de até 500.000 reais, poderá, durante a vida economicamente ativa, usar o FGTS a cada três anos para abater o saldo devedor do financiamento imobiliário ao invés de deixar o dinheiro depositado num fundo que rende só TR (taxa referencial) mais 3% ao ano.

8  Se for dono de empresa, empregue seu filho

Muita gente tem pudor de empregar parentes na própria empresa, mas essa não é a decisão mais inteligente. Trazer seu filho para a empresa lhe dará a oportunidade de ensiná-lo a trabalhar duro e a entender o mundo dos negócios. Se um dia ele assumir o comando da companhia, provavelmente estará mais bem-preparado para a função. A experiência terá sido importante mesmo que, no futuro, ele decida seguir outra carreira. Seu filho já estará acostumado ao dia a dia de uma empresa, o que lhe dará uma vantagem competitiva em relação a outras pessoas que nunca trabalharam. Só tome cuidado para não deixá-lo mal-acostumado. De preferência, pague a ele salários compatíveis com a função e cobre o mesmo desempenho alcançado por outros funcionários.