10 coisas que você compra e logo se arrepende

Os tipos de gasto com alto potencial de arrependimento e os antídotos para evitá-los

São Paulo – Se você refletir apenas por alguns segundinhos, com certeza se lembrará de alguma coisa que comprou recentemente e se arrependeu.

Qualquer tipo de gasto pode causar remorso, sobretudo se for feito por impulso, mas alguns tipos de compra parecem ser mais suscetíveis ao arrependimento do que outras. Veja a seguir dez exemplos clássicos e como evitá-los.

1) Roupas

Uma pesquisa realizada pelo site britânico Female First mostra que as mulheres têm, em média, 800 reais em roupas que foram usadas apenas uma vez. E 71% delas têm ao menos um item que compraram nos últimos 12 meses e usaram somente uma vez.

Ainda que o estudo tenha sido feito no Reino Unido não é preciso sair de casa para perceber que o resultado também pode se aplicar a você.

Samy Dana, professor de economia da Fundação Getúlio Vargas, comenta que a chance de uma roupa ficar bonita em uma vitrine, mas não tão legal na sua casa é grande e as lojas sabem disso, por isso criam uma atmosfera para que o objetivo fique mais interessante.

Para se blindar contra esses estímulos, o consumidor deve ser racional. “É preciso avaliar se a compra é realmente necessária. Ao comprar um casaco, pense quando seus outros casacos foram usados pela última vez. Pensar no uso histórico do tipo de bem que está prestes a ser comprado sempre ajuda”, diz Dana.

Caso você tenha se arrependido de algumas compras e queira se desfazer, em uma rápida busca pela internet é possível encontrar listas de sites que compram roupas, calçados e também outros objetos usados. 

2) Jogos online

Depois que as grandes indústrias de games descobriram que pode ser muito rentável oferecer jogos de graça para depois cobrar uma série de itens dentro do jogo, usuários têm gastado rios de dinheiro e chegado a se endividar.

Ao comprar as ferramentas dos games, em poucos minutos o jogador passa de uma fase que há dias estava empacado, mas os poucos minutos de diversão podem gerar dívidas que duram dias ou até meses.

3) Compras coletivas

Os sites de compras coletivas podem oferecer promoções realmente vantajosas, mas eles estão nesta lista porque muitas vezes o barato sai caro.

Na ânsia de obter o desconto, usuários acabam comprando o cupom sem observar com cuidado suas restrições. Apenas depois de fechar a compra percebem que o jantar pago é válido apenas para segundas e terças-feiras das 19h as 21h, bem no horário do futebol e da acupuntura.

Samy Dana recomenda avaliar se a promoção de fato é um grande negócio. “Se uma TV de 10 mil reais é vendida com 60% de desconto, não significa que ela está barata, a TV poderia estar cara a 10 mil reais e continuar cara a 4 mil reais. E ela pode ter custado 10 mil na época da Copa do Mundo, quando a demanda era alta. Agora já existe a segunda geração da TV e os preços vão cair, então é preciso analisar o mercado do produto para perceber se realmente vale a pena”, diz.

4) Loterias

Ainda que existam apostadores convictos, que toda semana fazem o seu joguinho para tentar a sorte, os marinheiros de primeira viagem, que entram nas apostas de concursos especiais, como a Mega da Virada, por exemplo, costumam se arrepender rapidinho de ter gastado dinheiro com as loterias.

Para citar um dado mais preciso, a probabilidade de ganho na Mega-Sena é de uma em 50,063 milhões. Ou seja, para cada ganhador, existem, mais de 50 milhões de apostadores sujeitos a arrepender-se de ter gastado dinheiro.

5) Máquina de fazer pão e afins

A máquina de fazer pão foi o arrependimento da recrutadora Débora Lima da Cunha (24). Sua intenção era comprar um outro produto em uma loja da Polishop, mas acabou levando também a máquina. “Não me pergunte porque eu comprei, Acabei usando só uma vez e por pouco o vendedor não me convenceu a levar também uma máquina de arroz”, diz.

Tal como a máquina de fazer pão existem outros eletrônicos que à primeira vista parecem extremamente úteis, mas acabam sendo pouco usados, como aparelhos de ginástica, massageadores de pés, etc.

São itens que podem custar caro diante da quantidade de vezes que são usados. Para raciocinar melhor sobre a compra, vale fazer um cálculo: quantos pães poderiam ser comprados pelo preço da máquina fazer pão, ou quantos meses de academia poderiam ser pagos pelo preço da esteira.

Samy Dana dá uma outra dica para evitar as compras desnecessárias: “Muitas vezes saímos de casa para comprar alguma coisa e acabamos levando algo mais. Sempre que a compra não for planejada, ela merece uma dupla reflexão”, diz.

6) Casa na praia

Um estudo feito pelo professor de finanças da FGV, Carlos Alberto Di Agustini, comparou os custos de uma casa na praia e da estadia em uma pousada, considerando o custo aquisição do imóvel e as despesas com sua manutenção. O resultado mostrou que para valer a pena ter uma casa na praia, do ponto de vista estritamente financeiro, o comprador deve usar a casa por 180 dias, ou metade do ano.

“O imóvel na praia é um caso muito comum de compra que gera arrependimento. Geralmente a compra ocorre no verão e os compradores pensam apenas no lado bom das coisas, acham que vão usar muito o imóvel, mas acabam não usando tanto, têm altos gastos e depois é difícil de vender”, afirma  André Massaro, consultor financeiro e autor do blog Você e o Dinheiro, de EXAME.com.

7) Porções extra grandes

A pipoca pequena custa 7 reais, a grande 11 e por apenas 1 real a mais você leva a extra grande. A situação é familiar e o resultado também. Mesmo com apetite para comer o pacote menor, o extra grande é comprado porque custa somente 1 real a mais do que o grande.

O filme mal começou e o arrependimento já vem. A estratégia de marketing é usada para que o cliente tenha a impressão de que a pipoca maior é barata, mas além de não conseguir terminar o pacote todo em muitos casos, o que sairia por 7 reais acaba saindo por 12. Ainda que sejam poucos reais, o custo é 58% maior. Mesmo que seja um valor pequeno, em outro contexto você jogaria cinco reais no lixo?

8) Brinquedos para seu filho ou para seu amado sobrinho

Se você costuma ter dificuldade de dizer não ao seu filho – ou a qualquer criança fofa da sua família – provavelmente já se arrependeu ao gastar dinheiro com aquele brinquedo que ele estava esperneando para ganhar, mas deixou de lado em menos de dois minutos.

“A criança não sabe o que é preço, nem valor, ela simplesmente quer e os pais devem ter um preparo para essa situação para conter o ímpeto consumista dos filhos, senão depois eles terão um arrependimento enorme”, afirma André Massaro.

Apesar de ser difícil, educadores financeiros dizem que é muito importante que os pais neguem alguns desejos dos filhos – por mais condições que tenham de realizá-los – para que a criança saiba lidar com eventuais dificuldades financeiras em sua vida adulta.

9) Gadgets para os filhos

Uma pesquisa realizada com dois mil pais de crianças e adolescentes entre três e 16 anos, encomendado pela Hobbycraft, varejista britânica de artigos de arte e artesanato, mostrou que 34% dos pais se arrependem de ter comprado gadgets para seus filhos, sobretudo pelo prejuízo que o presente causou em relação à paciência, criatividade e habilidade social da criança. 

Nesse caso, portanto, vale pensar duplamente se a compra de um gadget realmente vale a pena porque o arrependimento pode vir em dobro, tanto pelo aspecto financeiro quanto psicológico da compra.

10) Certos tipos de investimentos

Dentre todos os itens da lista, talvez os investimentos sejam o tipo de dispêndio com maior potencial de arrependimento. Além de poder causar prejuízos, os investimentos podem ter prazo de carência, isto é, o investidor pode não conseguir resgatar o dinheiro a qualquer momento.

Para André Massaro, os planos de previdência e títulos de capitalização são exemplos típicos de produtos financeiros que costumam causar arrependimento em pouco tempo. “A pessoa entra no investimento sem conhecer os detalhes e só depois vê que o dinheiro está preso”, diz. 

Para não investir na aplicação errada, é muito importante avaliar três aspectos: o seu perfil de risco, o prazo do investimento e o objetivo. E, caso seu conhecimento sobre investimentos seja pequeno, é recomendável consultar um profissional que possa te orientar.

Veja no vídeo a seguir como ser mais esperto para não gastar tanto dinheiro: