São Paulo - Os brasileiros planejam as viagens de férias com três meses de antecedência, mostra uma pesquisa recente realizada pela operadora de cartões Visa. Isso quer dizer que muita gente já começou a organizar as férias de fim de ano. E, segundo a mesma pesquisa, quem viaja pretende aumentar os gastos em 52% na próxima ida ao exterior.

O valor é bem superior à média mundial, que aponta para um aumento de 5% nas despesas. Os dados do Banco Central mostram um cenário parecido: os gastos dos brasileiros em viagens internacionais somaram 12,3 bilhões de dólares no primeiro semestre, alta de 15% ante igual período do ano passado. 

Nas férias de julho, o número de embarques — nacionais e internacionais — vendidos pela agência CVC aumentou 10% em relação ao
mesmo período de 2012. Os destinos estrangeiros puxaram a média para cima. As viagens para Miami e Orlando cresceram 26%. "Não temos sentido diminuição nas vendas de pacotes turísticos", diz Viviane Pio, gerente sênior de vendas da CVC. 

Se você pretende viajar para fora do país, cuidado, pois o dólar acumula valorização de 18% desde o início do ano e os economistas esperam uma alta ainda maior até o fim de 2013. Significa que as viagens internacionais vão pesar mais no orçamento. Mas, mudando alguns hábitos, é possível reduzir as despesas. Confira, a seguir, algumas dicas.

Baixa temporada

Ellen Kiss costuma viajar para o exterior com a família duas vezes por ano. Em 2012, Ellen foi com o marido, Victor Meyerfreund, de 49 anos, e os flhos, Martina, de 6, e Otto, de 5, para Londres. Se você também viaja com a família, a dica é tentar conciliar as férias dos filhos com o período de baixa temporada no exterior.

"Fim de novembro e início de dezembro ainda é baixa temporada. Também dá para aproveitar preços reduzidos no início de fevereiro, antes do Carnaval", diz Viviane, da CVC. A empresa estima uma economia média de 30% para quem viaja nesses períodos.

Para quem vai ao Hemisfério Norte, outra opção é deixar a viagem para janeiro. "Aqui no Brasil é alta temporada, mas na Europa o movimento é fraco, então o custo total fica menor", afrma Lenine Lamounier, diretor comercial da Master Turismo. Portanto, considere
esses meses antes de fechar o pacote de viagem para dezembro ou julho.

Troque o crédito pelo pré-pago 

A maior parte dos gastos dos brasileiros durante as viagens é com compras. "O dinheiro dos turistas brasileiros está destinado, principalmente, ao comércio, que representou 27% do total de gastos, seguido de comida e bebida, com 26%", diz Jennifer McGowan, diretora executiva de relações corporativas da Visa para a América Latina e Caribe.

O que poucos levam em conta é que dá para economizar bastante conforme o meio de pagamento escolhido. Quando estão no exterior, 89% dos viajantes brasileiros usam cartão de crédito em suas compras, segundo a Visa.

Mas o meio preferido pelos turistas tem desvantagens: sobre o pagamento em crédito no exterior incidem 6,38% de imposto sobre operações financeiras (IOF), e o consumidor pode ser surpreendido por uma alta súbita do dólar, já que o câmbio usado para converter os gastos para o real será o do dia do fechamento da fatura, não o do dia da compra.

No caso do cartão pré-pago, o IOF que incide é de 0,38%. O saque pode ser realizado em caixas eletrônicos de qualquer banco, e a tarifa gira em torno de 2,50 dólares. Caso o consumidor faça o pagamento no débito, não há tarifa.

Considere ficar num albergue 

Na hora de escolher estadia, 75% dos brasileiros optam por hotéis — confortáveis, mas caros. "O maior critério dos brasileiros é estar bem localizados. Isso acaba coincidindo com hotéis com mais estrelas", diz Viviane, da CVC. Ela destaca que, com um pouco de pesquisa, é possível encontrar hotéis mais em conta.

Dependendo do país, os albergues — também chamados de hostels — são boas opções. "Nas cidades europeias, você pode se hospedar num albergue tranquilamente", diz Lenine Lamounier. Os sites www.tripadvisor.com.br e hostels.com (este último, em inglês) ajudam a pesquisar e é possível ler as avaliações de pessoas que já se hospedaram em cada estabelecimento.

Alugue um apê pela internet

Como costuma viajar para o exterior em família, a publicitária Ellen Kiss, de 36 anos, opta por alugar um apartamento de temporada em sites especializados, como o airbnb.com, em vez de fi car em hotéis. "Dá para achar bons preços, e é bem mais espaçoso do que um hotel", diz.

Pelo aluguel de um apartamento em Londres, Ellen pagou diárias de 200 libras (750 reais). Se tivesse ficado em um quarto de hotel
para quatro pessoas, o preço seria de 350 libras (1.314 reais) por dia.

Tópicos: Orçamento pessoal, Viagens pessoais, Viagens