São Paulo - Até o fim do ano, os brasileiros vão desembolsar 2,6 bilhões de reais em compras em sites estrangeiros. São 5,3 milhões de consumidores que têm recorrido às transações online para importar roupas, calçados, acessórios, remédios, cosméticos, joias, relógios e eletrônicos, conforme revela a pesquisa rotas modernas das especiarias: impacto cultural das compras transnacionais, do PayPal, serviço de pagamentos online.

Segundo o levantamento, esse tipo de compra deve crescer 546% no país até 2018, movimentando 16,8 bilhões de reais. Uma das explicações é a possibilidade de adquirir produtos estrangeiros diretamente dos vendedores, sem a necessidade de intermediários e com preços melhores do que os encontrados no Brasil.

Em tempos de alta do dólar, é também uma forma de continuar a fazer compras no exterior sem arcar com os custos crescentes da viagem. Mas é preciso tomar cuidado para não cair em armadilhas que podem fazer o barato sair caro. A seguir, algumas dicas para que a compra não se transforme em dor de cabeça.

Antes de comprar

1 Pesquise a reputação da loja antes de fazer uma compra. Como não há um órgão capaz de fiscalizar todos os sites estrangeiros de vendas, você pode adotar algumas precauções, como só comprar naqueles já testados por amigos e conferir as avaliações feitas por outros consumidores antes de finalizar o pedido.

2 Considere o prazo de entrega para decidir se vale a pena comprar no exterior. Dependendo do país de origem, o produto demora até dois meses para chegar. Pode levar ainda mais tempo se o pacote for selecionado para inspeção na alfândega. Como o processo é por amostragem, é uma questão de sorte — ou azar. Leve em conta esse risco.

3 Os produtos com preço inferior a 50 dólares não são taxados, contanto que tenham sido enviados de pessoa física para pessoa física.

4 Compras acima de 3.000 dólares são tributadas de forma diferente. Incidem sobre o valor total IPI, PIS-Cofins, imposto e importação.

5 Informe-se sobre as condições de frete, troca, devolução e política de cancelamento, e verifque se o site realmente faz entregas no
Brasil. A Amazon, por exemplo, não entrega qualquer produto por aqui. Confra ainda se, em caso de troca, os custos de frete
ficam a cargo da empresa ou do cliente. 

Durante as compras

1 Roupas e acessórios já estão em terceiro lugar na lista dos itens mais comprados pelos brasileiros nos sites estrangeiros. Fique atento às medidas e confra se equivalem ao padrão brasileiro.

2 "Em sites europeus, por exemplo, os tamanhos P, M e G são menores do que os brasileiros", explica a estudante carioca Luciana Garcia, compradora experiente. Outra saída é recorrer a provadores virtuais, como UpCload e True Fit. O sistema de numeração de calçados também é diferente

3 Se comprar com cartão de crédito, lembre-se de que o pagamento em dólar fica sujeito à variação cambial. Não importa se o dólar estava baixo quando você fez a compra. O que vale é o valor da moeda americana no dia de fechamento da fatura do cartão. Taxas como o IOF podem deixá-la ainda mais salgada.

4  Via sistemas eletrônicos de pagamento, como PayPal, Google Checkout/Wallet, Amazon Payments ou Dwolla, cobra-se uma comissão sobre o valor de cada compra.

• PayPal — 3,5% por transação internacional com conversão para real.

• Google Checkout/Google Wallet — 2,9% do valor da compra e 30 centavos de dólar por transação realizada.
• Amazon Payments — 2,9% e 30 centavos de dólar por transação.
• Dwolla — nas compras acima de 10 dólares, cobram-se 25 centavos
de dólar por transação. Abaixo desse valor, não há tarifa.

Depois da compra

1 Se o produto for analisado na alfândega, é possível que seja taxado em 60% do valor total da compra, em reais. Nesses casos, os Correios enviam um telegrama informando em que agência o produto pode ser retirado, mediante o pagamento da chamada taxa de importação.

2 Se o produto não for entregue ou você se arrepender pouco depois da compra, procure o Serviço de Atendimento ao Cliente do site. Se o pedido não for atendido, solicite o cancelamento da compra à operadora do cartão ou ao sistema de pagamento.

Tópicos: Comércio eletrônico, Importações, Comércio exterior, PayPal, Empresas, Empresas de internet, Internet, Sites