São Paulo - O sonho da casa própria faz parte dos desejos de milhares de brasileiros. A propriedade do imóvel ainda é sinônimo de estabilidade financeira e de segurança para que se possa formar uma família e criar os filhos.

Alinhadas com essa demanda, as construtoras e as corretoras de imóveis promovem inúmeras campanhas de marketing a favor da compra de apartamentos e casas, sugerindo sempre que o aluguel é desfavorável a quem deseja estabelecer um lar. No entanto, uma breve análise mostra que alugar pode ser, na realidade, uma excelente opção.

Em compras à vista, normalmente observa-se apenas o valor a ser pago pelo imóvel em si, não sendo levados em conta os demais gastos envolvidos na transação, como taxas de corretagem, que variam de 6% a 8% no caso dos vendedores, imposto sobre transmissão de bens imóveis (ITBI), que fica próximo a 2% do total, e reformas (já que mesmo imóveis novos são entregues no contrapiso, sem louças e acessórios nos banheiros e sem armários). 

Nos financiamentos, os juros tornam o quadro ainda pior. Na cidade de São Paulo, paga-se em média 0,75% ao mês em taxas de juro, enquanto a taxa de aluguel fica próxima a 0,4% — nível relativamente menos interessante do ponto de vista de investimento e consideravelmente mais vantajoso para o cidadão que deseja encontrar uma nova habitação.

Para ilustrar, consideremos o caso de um imóvel paulista no valor de 400.000 reais a ser pago com 20% de entrada e parcelamento
do restante em 360 meses. O valor das parcelas mensais será de 2. 612,88 reais, enquanto o aluguel ficará próximo a 1.600 reais.

Se, em vez de financiar, o indivíduo investir os 80.000 reais da entrada e a diferença mensal entre o valor das parcelas e do aluguel, 1.012,88 reais, em uma modalidade de baixo risco durante 30 anos, terá aproximadamente 1.499.261 reais ao final do período.

Enquanto isso, aqueles que optaram por comprar o imóvel estarão com um bem de 30 anos de uso, que, por mais que tenha valorizado
com o passar do tempo e possa ter sido alugado para terceiros, terá exigido diversos gastos com manutenção e, eventualmente, reformas, todos de responsabilidade do proprietário.

É importante avaliar bem as opções para que a compra da casa própria não se torne um pesadelo para a família — no longo prazo.

Samy Dana é professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, Ph.D. em administração e negócios e autor dos livros 10x sem juros, em coautoria com Marcos Cordeiro Pires, e Como passar de devedor para Investidor, com Fabio Sousa

Tópicos: Aluguel, Casas, Imóveis, Financiamento de imóveis, Aplicações financeiras, Planejamento financeiro pessoal