Curitiba (PR) - A Landis+Gyr, fabricante de equipamentos de medição de energia elétrica, que levou o prêmio de melhor empresa para trabalhar do setor eletroeletrônico deste ano, sabe lidar com mudanças. De 1992 para cá, a companhia passou por seis controladores diferentes.

O primeiro deles foi o responsável pela transferência da fábrica do Rio de Janeiro (RJ) para Curitiba (PR), onde está hoje instalada. A última mudança aconteceu em maio de 2011, quando a japonesa Toshiba passou a ser sua nova dona. No dia da divulgação, o presidente foi à praça central da fábrica, como faz a cada três meses para falar sobre os resultados, e anunciou a novidade.

"Mas, no dia a dia, nada mudou", afirma um funcionário. O presidente permaneceu no posto, nenhum empregado foi demitido e nenhuma política sofreu alteração — apenas delegações de japoneses passaram a frequentar a fábrica de vez em quando.

Diferentemente do que costuma ocorrer em mudanças de controle, nas quais os profissionais normalmente se agitam e começam a procurar outras oportunidades fora da empresa, o time da Landis+Gyr não se abala nem um pouco — nem tem pressa de sair.

Se o tempo de um controlador na companhia tem sido, em média, de três anos, o dos funcionários é de oito. Acostumados com a troca constante de donos, os empregados sabem que a cultura da empresa prevalece acima de tudo, que o cotidiano não vai sofrer traumas e há espaço para crescer, mesmo que isso demore um bocado.

Com poucos profissionais e uma rotatividade anual de apenas 1,5%, o crescimento costuma ser lento na organização, o que também proporciona o convívio de diferentes gerações num mesmo ambiente de trabalho. Além do bom relacionamento entre equipes e da oferta de benefícios tradicionais, como plano de saúde e refeição na fábrica, a Landis+Gyr fornece transporte até a porta da casa de cada funcionário, grupos de corrida, aulas de ioga e uma horta comunitária.

E nada disso foi afetado nos últimos tempos. A única real mudança na vida das pessoas foi a retirada dos refrigerantes do restaurante. Agora só tem suco e água — e elas gostaram da iniciativa. 

PONTO(S) POSITIVO(S) PONTO(S) A MELHORAR
Pensando na manutenção da liderança, a empresa iniciou um programa que deve preparar 35 funcionários para serem sucessores imediatos. A única reclamação dos empregados é a falta de uma associação, como um espaço de lazer nos fins de semana, e de um programa de talentos mais claro..

Tópicos: Setor eletroeletrônico, Setores, Indústrias em geral, Indústria, Melhores Empresas para Trabalhar, Empresas, Toshiba, Empresas japonesas, Revista VOCÊ S/A