O Brasil pode ser líder em prédios verdes

Para o especialista, referência mundial em arquitetura sustentável, os países emergentes precisam ter pelo menos 20% do mercado imobiliário com selo verde

São Paulo – Especialista em construções verdes do International Finance Corporation (IFC) — braço do Banco Mundial para financiamento privado —, o indiano Prashant Kapoor lidera, desde 2010, as iniciativas da instituição em construção sustentável para mercados emergentes. A meta do IFC é atingir 20 países nos próximos sete anos — e fazer com que os edifícios verdes componham 20% do mercado imobiliário de cada um deles. 

1) EXAME – Por que é mais urgente pensar em soluções verdes para a construção civil hoje?

Prashant Kapoor – Cerca de 30% da energia produzida é consumida pela construção civil, o que inclui a fase de construção e o consumo posterior nas casas e nos escritórios. O mundo está cada vez mais urbanizado, e os países emergentes estão vivendo um boom de construções. Se deixarmos a chance passar, será muito difícil corrigir depois.

2) EXAME – A ideia de que a sustentabilidade custa muito mais caro ainda vigora na construção civil?

Prashant Kapoor – Sim. Há uma percepção por parte da maioria de que uma construção sustentável custa 30% mais caro, mas, segundo o World Green Building Council, entidade global responsável por disseminar práticas sustentáveis de construção, o incremento no custo oscila de 0% a 4%.

3) EXAME – O que o IFC tem feito para auxiliar os países em desenvolvimento nessa questão? 

Prashant Kapoor – Uma das estratégias é financiar bancos para que eles concedam empréstimos e invistam diretamente em construções verdes. Desde 2009, investimos 600 milhões de dólares. O mais recente aporte, de 60 milhões de dólares, foi feito numa construtora de Minas Gerais, a Canopus.

Ela também foi a primeira no Brasil a conquistar um selo verde que ajudei a criar, o EDGE. A conquista da certificação está vinculada ao uso de um software que permite uma economia nas obras de até 20% no uso de materiais como água e energia.

4) EXAME – Já existem dois selos para a construção verde no mundo, o Leed e o Acqua. De que maneira mais uma certificação melhora o cenário? 

Prashant Kapoor – No mundo inteiro, essas duas certificações têm como alvo empresas de grande porte. O EDGE nasceu para provar que companhias médias e pequenas também podem construir de maneira sustentável e se beneficiar disso. 

5) EXAME – O poder público pode incentivar a adoção de práticas sustentáveis na indústria da construção?

Prashant Kapoor – Os governos precisam criar os incentivos e dar o exemplo aplicando essas práticas nos próprios projetos. E o IFC tem ajudado autoridades a criar códigos de eficiência energética inteligente para suas construções.

6) EXAME – Hoje, quais países são os melhores exemplos para edifícios verdes? 

Prashant Kapoor – Na Europa, há leis que obrigam os edifícios a obter selos verdes, e isso transformou o mercado. No México, o setor financeiro tem desempenhado um papel central. Nos últimos quatro anos, 60% das hipotecas do país têm sido verdes — ou seja, seguem padrões sustentáveis.

7) EXAME – E o Brasil?

Prashant Kapoor – O país tem uma grande oportunidade de se tornar um dos líderes nesse setor. A construção civil deverá crescer 20% até 2020 no Brasil, e estou convicto de que a adoção de critérios de sustentabilidade será um imperativo.