Poucas decisões são tão arriscadas para uma empresa quanto dar adeus a seu ganha-pão e passar a apostar em uma inteiramente nova linha de produtos. Fundada em 1939, a Taurus, maior fabricante de armas do país, vem fazendo exatamente isso. Em 2003, seus executivos perceberam que o mercado de armas, então em franco declínio, os levaria à bancarrota.

Tomou-se, então, a decisão de aplicar toda a capacidade da companhia num processo de diversificação, que incluiu a fabricação de novos produtos e a aquisição de outras empresas. A estratégia custou mais de 100 milhões de reais, e só agora os resultados começaram a aparecer. Nos últimos três anos, a participação das pistolas e revólveres no faturamento da Taurus caiu de 80% para 58% -- e a tendência é de uma queda ainda mais acentuada daqui para a frente.

"A pressão que vínhamos sofrendo como fabricante de armas nos empurrou para a diversificação", diz Luís Fernando Estima, presidente da Taurus. "Conseguimos tornar a empresa mais equilibrada."

Além de reduzir a dependência de um só produto, a mudança de rumo da Taurus refletiu-se na última linha de seu balanço. O lucro, superior a 30 milhões de reais, foi quase 70% maior que o do ano anterior. E a empresa, que vinha andando de lado, voltou a crescer -- um feito comemorado internamente, já que 2005 foi considerado um dos anos mais difíceis da história da Taurus.

Às vésperas do referendo que decidiu que os brasileiros eram a favor do comércio de armas, o então presidente da Taurus, Carlos Murgel, morreu. A mudança na liderança da empresa veio no pior momento do mercado nacional de armas (e isso apesar da vitória no referendo).

Nos anos anteriores, o setor havia sofrido uma série de restrições legais, como a proibição de fazer publicidade. Em razão dessas limitações, a quantidade de armas legais comercializadas anualmente para civis no Brasil caiu de 49 000 para 12 000 unidades entre 1995 e 2005.

Diante desse cenário tenebroso, os executivos decidiram aproveitar todas as possíveis sinergias oferecidas pela fabricação de armas. A companhia, então, entrou pesado em setores tão diversos quanto a fabricação de capacetes, contêineres e ferramentas.

O adeus às armas da Taurus foi saudado pelos investidores. As ações da empresa tiveram valorização de quase 200% em 2006. E, surpreendentemente, voltaram a crescer outros 75% no início deste ano. "A companhia conseguiu se adaptar rapidamente a uma situação nova de mercado," diz o analista Rafael Weber, da Geração Futuro Corretora.

Embora esse desempenho seja conseqüência direta da diversificação, as velhas pistolas também ajudaram a companhia no ano passado. A Taurus beneficiou-se do crescimento do mercado mais armado do mundo, o americano. Suas exportações de armas cresceram cerca de 30% no ano passado -- e mais de 70% desse volume seguiu para os Estados Unidos.

Segundo analistas, a estratégia de diversificação traz uma série de riscos para a empresa. O principal deles é causar uma confusão estratégica típica das companhias que entram em muitos mercados ao mesmo tempo e não obtêm sucesso em nenhum deles -- é inegável, porém, que por enquanto os tiros da Taurus têm acertado o alvo

.

Tópicos: Estratégia, Gestão, Setores, Indústrias em geral, Indústria, Empresas, Armas, Taurus, Equipamentos, máquinas e peças