São Paulo - O americano John Mackey, fundador e copre­sidente mundial do Whole Foods, a rede de varejo mais badalada dos Estados Unidos por vender produtos orgânicos e privilegiar pequenos fornecedores locais, está cada dia mais avesso a conceder entrevistas sobre o negócio.

Aos 61 anos, o executivo diz que a demanda por seu tempo aumenta exponencialmente à medida que o Whole Foods se expande — e ele definitivamente tem crescido. Criada na década de 80, em Austin, capital do estado do Texas, onde está sua sede, a varejista deverá fechar o ano de 2014 com 400 lojas. Mas Mackey não dedica seu tempo apenas à gestão da rede, que faturou quase 13 bilhões de dólares em 2013.

O executivo é o grande nome por trás do Capitalismo Consciente, movimento que prega que as empresas devem se guiar por um propósito maior do que o de lucrar e remunerar investidores. Mas, para provar que o tal Capitalismo Consciente é viá­vel, quando dá entrevistas Mackey precisa falar sobre o modus operandi do Whole Foods.

Afinal, são poucos os negócios que exemplificam de maneira tão clara os ideais que ele defende. Na empresa, por exemplo, a disparidade de salários entre a cúpula e os funcionários de nível operacional não ultrapassa 20 vezes, ante a média americana de 200.

Em meados de setembro, Mackey veio ao Brasil pela primeira vez para dar uma palestra a convite da Associação Brasileira de Supermercados e para se encontrar com executivos brasileiros adeptos do movimento. Em um de seus dias dedicados ao lazer, no Rio de Janeiro, ele falou a EXAME.   

EXAME - Quais são os princípios do chamado Capitalismo Consciente? 

John Mackey - O primeiro princípio é que todo negócio deve ser guiado por um propósito maior do que o de fazer dinheiro. O Whole Foods é movido pelo desejo de ajudar as pessoas a ser mais saudáveis. O segundo princípio é que você precisa criar valor para todos os públicos com os quais se relaciona.

Reina no mundo dos negócios o raciocínio de que se alguém está se dando bem, como seus funcionários, alguém está se dando muito mal, provavelmente os fornecedores ou os acionistas.

Trata-se de uma lógica equivocada. Nossa experiência mostra que fornecedores e funcionários satisfeitos prestam um serviço melhor, e isso deixa os clientes felizes. E clientes felizes são a melhor publicidade para um negócio — e isso beneficia os acionistas.

EXAME - O movimento do Capitalismo Consciente pode ser bem-sucedido?

John Mackey - O Capitalismo Consciente tem se alastrado. Não exatamente com esse nome, mas os valores que pregamos têm se espalhado porque eles dão resultado. E, nos negócios, tudo o que dá resultado se espalha muito rapidamente.

Se não fosse bom para uma empresa ter um propósito maior do que o de ganhar dinheiro ou se preocupar com todos os seus stakeholders, nós não teríamos crescido tanto. Mas admito que não se trata de uma fórmula simples. Nas empresas há sempre uma luta entre os “puristas” e os “pragmáticos”.

Os puristas nunca buscam atalhos, nunca se comprometem. E, quando falo de atalhos, não me refiro a ações antiéticas ou ilegais. Já os pragmáticos buscam maneiras de suprir as demandas do mercado de forma legítima. 

EXAME - Em algum momento o senhor se sentiu tentado a tomar esses atalhos?

John Mackey - Claro. Sou vegano (não come nenhum produto de origem animal) e sei que meus amigos veganos acham que eu sou um hipócrita por vender carne de origem animal no Whole Foods. Mas apenas 0,5% da população americana é vegana.

E o que eu faço com o resto? As empresas precisam dos puristas mas também dos pragmáticos para lidar com o que as pessoas querem. Sou idealista, mas realista. Um líder deve ter inteligência emocional e espiritual. Capacidade de ter empatia pelos outros. Um executivo pode ser brilhante, mas, se for um idiota com as pessoas, não trabalhará conosco. 

EXAME - No Whole Foods, uma pessoa é submetida a um período de testes de até 90 dias e só é contratada se passar pelo crivo de dois terços da equipe com quem ela vai trabalhar. O que está por trás dessa prática?

John Mackey - Acreditamos que cada equipe é única e que é muito importante que seus membros tenham voz na contratação de um novo integrante. O desempenho do time depende da cooperação de todos. E pode-se enganar o chefe, mas ninguém engana os colegas por muito tempo.

Uma equipe dedicada e unida não vai querer um preguiçoso no grupo. Nenhuma equipe é tão forte até rejeitar alguém, porque esse passo fortalece a identidade do time.

EXAME - O Whole Foods é conhecido por não vender centenas de produtos. Como a rede define o que vende? 

John Mackey - Temos um grupo de especialistas que analisam a qualidade dos produtos que vendemos. O trabalho deles é fazer recomendações. Nós não boicotamos marcas como Coca-Cola. Mas temos uma lista de ingredientes que não podem ser vendidos e, se um produto tem algum desses ingredientes, ele não estará em nossas gôndolas.

Vendemos refrigerantes, mas eles não contêm aspartame, corantes e outros produtos químicos que julgamos prejudiciais. Não somos os donos da verdade, mas tomamos a decisão de não vender o que acreditamos não ser bom.  

EXAME - Vocês foram apelidados de whole paycheck, ou “contracheque inteiro”, porque sempre foram careiros. Recentemente, a rede tem promovido campanhas agressivas de descontos. Por que isso agora? 

John Mackey - Sempre demos dicas para que nossos clientes economizassem e sempre tivemos promoções, mas isso nunca foi muito explorado pela mídia. Recentemente, porém, temos adotado essa estratégia de maneira bem mais agressiva, e não há como não falar sobre ela.

E é claro que estamos fazendo isso, entre outros motivos, porque queremos ganhar mercado e estamos sendo pressionados pelos concorrentes. A propósito, estamos lançando pela primeira vez nos Estados Unidos uma campanha nacional que será veiculada na TV.

Getty Images

Whole Foods Market

Whole Foods nos Estados Unidos: a rede terá 400 lojas até dezembro

EXAME - O Whole Foods tem 34 anos. Por que essa campanha só agora? 

John Mackey - Por muito tempo fomos uma empresa pequena, e tudo o que fazíamos chamava a atenção. Mas o Whole Foods se transformou numa empresa grande, e há muita rejeição em relação às grandes corporações nos Estados Unidos. As pessoas acreditam que elas são malignas. E a verdade é que a mídia está nos atacando. Então decidimos fazer uma campanha nacional para defender nossa marca. 

EXAME - O Whole Foods tem aberto lojas no interior dos Estados Unidos e em cidades decadentes como Detroit. Essa estratégia está funcionando?

John Mackey - Todo mundo dizia que não teríamos sucesso em Detroit porque as pessoas não teriam renda e não estariam interessadas em comprar comida de qualidade e saudável.

Decidimos abrir a loja porque acreditamos que, independentemente da classe social ou da cultura, as pessoas querem criar seus filhos de forma saudável. A loja de Detroit foi inaugurada em maio de 2013 e tem vendido o dobro do que planejávamos. 

EXAME - O senhor se preocupa com o que pode acontecer com o Whole Foods quando não estiver mais lá? 

John Mackey - As companhias saudáveis fazem a sucessão com executivos que tenham um histórico sólido na companhia e que amem seus valores. A outra opção é recrutar no mercado alguém com uma mentalidade financeira. Muitas empresas fazem isso. E esses executivos trazem resultados no curto prazo porque cortam custos.

No longo prazo, porém, essa estratégia mina o que torna a empresa única em relação aos concorrentes. Recentemente, numa rede de varejo familiar americana chamada Market Basket aconteceu algo interessante. Uma parte da família assumiu o controle e destituiu o presidente, que era admirado pelos funcionários.

Os empregados fizeram uma greve e ele voltou ao comando. Gasto boa parte de meu tempo me dedicando a fortalecer a cultura do Whole Foods. Se ela for forte, não adianta o conselho de administração colocar no comando alguém que vá contra as ideias que sempre defendemos porque ele não conseguirá ficar na companhia por muito tempo.

EXAME - Em 2000, o senhor quase foi demitido pelo conselho do Whole Foods. Como é esse relacionamento hoje?

John Mackey - Criei um negócio sozinho e contratei um conselho. Mas durante muitos anos não pensei — e sei que isso vai soar ridículo — que o conselho poderia me demitir. Afinal, contratei esses caras, certo? Mas, em uma empresa aberta, se você não está entregando os resultados financeiros desejados, o conselho vai ficar na sua cola.

Felizmente, recebi uma dica de que o presidente e parte do grupo orquestravam minha saída e consegui resolver a tempo a questão. Isso aconteceu há 14 anos, mas hoje entendo que os executivos se reportam, sim, ao conselho. 

EXAME - Os investidores do Whole Foods acreditam no Capitalismo Consciente?

John Mackey - Você não pode impedir ninguém de comprar suas ações se sua empresa está listada na bolsa. O que você pode fazer é ser muito claro em relação à maneira como conduz o negócio e conquistar os acionistas que merece. Sempre dizemos ao mercado que não gerimos o Whole Foods por trimestres.

Tomamos decisões hoje que só serão recompensadas lá na frente. Os investidores que gostam desse discurso manterão nossas ações por mais tempo. Os bons investidores estão por aí e, se você é transparente e claro, eles aparecem.

EXAME - E quando haverá uma loja do Whole Foods no Brasil?

John Mackey - O Brasil é um dos maiores países do mundo e poderia abrigar nossas lojas. Mas não é fácil para o Whole Foods se internacionalizar. Nossas lojas têm cerca de 30 000 itens, e não posso trazer minha extensa rede de fornecedores para cá porque isso não faria nenhum sentido.

Até porque valorizamos a produção local dos alimentos. Precisaríamos desenvolver fornecedores aqui, e isso leva tempo. De forma pragmática, hoje o México faria muito mais sentido para nós. Nossa matriz é em Austin, no Texas, próximo à fronteira.

Temos muitos mexicanos como funcionários e compramos muitos produtos frescos do país. Mas ainda não temos planos de ir para o México. Espero que o Whole Foods esteja no Brasil um dia.

Tópicos: Entrevistas, Produtos orgânicos, Varejo, Setores, Comércio