A síndrome da árvore | EXAME.com
São Paulo
Germano Luders
Carregando

A síndrome da árvore

Fernando Mantovani

Passeando por qualquer grande cidade, às vezes, podemos nos surpreender com o tamanho de algumas árvores em meio a tantos prédios. É impressionante notar como são grandes, robustas e resistentes há tantos anos. Invariavelmente, essas mesmas árvores um dia ficam velhas e começam a dar problemas: raízes que danificam o asfalto e a calçada, galhos que quebram ou atrapalham a fiação elétrica, troncos que não resistem a fortes chuvas e ventos. Elas chegaram antes das grandes cidades, mas, uma hora outra, serão eliminadas mesmo estando onde sempre estiveram.

Ao contrário do ser humano, a árvore tem uma capacidade limitada de adaptação às mudanças à sua volta. Ela pode até torcer um galho para fugir de um obstáculo, aprofundar mais a raiz em busca de seus nutrientes, mas não tem como mudar de lugar caso esteja grande demais para o ambiente de concreto ao seu redor.

Os profissionais que sofrem da síndrome da árvore são justamente aqueles que não conseguem se adaptar às transformações do mercado. Só que ao invés de ficarem grandes demais, acontece o contrário: eles ficam pequenos e ultrapassados. E mesmo estando na empresa há anos, talvez desde a fundação, em algum momento eles serão cortados. Uma vez no mercado de trabalho, enfrentarão grandes dificuldades de recolocação, justamente porque não atendem ao perfil demandado.

É muito importante, principalmente para pessoas que estão há muito tempo na mesma função, buscar atualização constante. Parece óbvio falar sobre isso, mas o dia a dia das entrevistas com os candidatos mostra que é preciso bater nessa tecla repetidas vezes.

Não é necessário gastar rios de dinheiro para ter conhecimento. Ao contrário de 10 ou 15 anos atrás onde estudar era caro, hoje é possível encontrar diversos cursos on-line gratuitos de renomadas universidades nacionais e internacionais – sim, eles contam pontos positivos no currículo, pois mostra que você é alguém preocupado em aprender sempre. Para temas mais práticos e urgentes, é fácil achar vídeos de bons especialistas com explicações claras no YouTube.

A contaminação pela síndrome da árvore é algo fácil de ser evitada. Proteja sua carreira!

Comentários