A previsão e o ocorrido: Google Trends e Adesão às Manifestações | EXAME.com
São Paulo
Germano Luders
Carregando

A previsão e o ocorrido: Google Trends e Adesão às Manifestações

João Manoel Pinho de Mello

Post escrito por Vinicius Carrasco e João Manoel Pinho de Mello

 

“Previsão de retrovisor vale pouco” sabedoria popular

 

Na 5a-feira, dia 10/03/2016, postamos neste Blog uma previsão da adesão às manifestações. Usamos dados do Google Trends. Nossa leitura dos dados sugeria que a manifestação deste domingo seria maior do que a de 15/03/2015. Isso se confirmou.

Outros analistas (aqui) fizeram, usando exatamente os mesmos dados, a previsão oposta. O que ocorreu?

A diferença, conforme apontamos no post, decorre da maneira como o Google apresenta os dados do Google Trends.

No 5a-feira, dia 10/03/2016, o Google Trends de fato apresentava um números semanais atualizados, pelo que entendemos à altura, até 3a-feira, dia 08/10/2016. Os dados semanais pareciam sugerir que a quantidades de buscas por termos como ‘Vem pra Rua’ ou ‘manifestações’ era baixa em relação ao que havia sido em março de 2015. Como o Google Trends teve boa aderência à adesão nos quatro protestos de 2015, parecia razoável inferir que haveria baixa adesão agora.

Um olhar atento sugeria o contrário. Nós levamos em consideração o fato de que eram apenas dois dias em uma semana e de que o número de buscas sobe durante a semana do protesto (atingindo o pico no próprio dia). Fazendo tal conta, o Google Trends  sugeria, já àquela altura, que a manifestação seria maior do que a de março de 2015.

Como dissemos na 5a-feira, dia 10/03/2016, o imponderável sempre atua. Houve o pedido de prisão de Lula na 6a-feira, que talvez tenha contribuído para a maior adesão. Mas a previsão foi feita na 5a-feira. E, novamente, àquela altura a previsão já sinalizava maior adesão.

É sempre bom lembrar da frase retirada da sabedoria popular. Nossa previsão foi feita com quatro observações. Acertar pela razão correta é, neste caso, quase tão provável quanto dar sorte. Mas a atenção ao dados sempre melhora as chances do analista.

Comentários