Brasil no mundo

04.07.2013 - 20h54

O brasileiro inovador do Bondsy em Nova York

Diego Zambrano - Bondsy

Inovação é uma tema difícil no Brasil. O Blog EXAME Brasil no Mundo vem conversando com diversos empresários, políticos e especialistas sobre o tema inovação no Brasil. O país tem um grande potencial, mas para muitos analistas, o mercado brasileiro ainda não apresenta as melhores condições para o desenvolvimento de um processo de inovação. Não é a toa, que o país vem perdendo posições de competitividade internacional, principalmente pela falta de condições estruturais para inovar.

Mas o brasileiro tem uma característica importante, sua visão e simplicidade ajudam a estabelecer horizontes além das condições colocadas no mercado, mesmo que seja necessário ir para fora. O Blog EXAME Brasil no Mundo conversou com um destes brasileiros. Diego Zambrano, criador do aplicativo, e também Rede Social de Coisas, o Bondsy, falou sobre suas iniciativas e empreendimentos para o desenvolvimento do aplicativo, que hoje tem uma atenção especial de investidores. Baseado desde 2007 em Nova York, o brasileiro conta sua visão e foco. Como muitos empreendedores, sofreu muito no início para o desenvolvimento de suas idéias, mas conseguiu aprender efetivamente a “regra do jogo”.

O Bondsy é um aplicativo que permite a qualquer pessoa transacionar produtos e serviços, que o mesmo possua e não quer mais, e trocar por dinheiro ou outro produto. Na sua concepção cria-se uma “Rede Social de Coisas”.

Para ter acesso ao Bondsy basta clicar: https://www.bondsy.com

Brasil no Mundo: Como surgiu a idéia do Bondsy? Quais foram suas primeiras dificuldades para empreender o projeto?

Diego Zambrano: Em 2007, quando eu me mudei do Rio de Janeiro para Nova York, eu decidi que não ia trazer nada que eu possuía comigo. Quando fui oferecer para os meus amigos, não achei nenhuma ferramenta online criada com esse objetivo.

Foi quando eu tive a idéia de usar o Flickr (a melhor plataforma de compartilhamento de fotos da época) para postar fotos com preços, e compartilhar com os meus amigos. Pra minha surpresa, duas coisas interessantes aconteceram:

  • Meus amigos compartilharam essa página com os amigos deles, que acabaram se sentindo confortáveis o suficiente para entrarem em contato comigo.
  • Alguns amigos ofereceram me pagar com jantares, tigelas de açaí, e cerveja. Eu inclusive troquei uma câmera fotográfica por um jantar mais caro que a câmera.

Enquanto esse improviso funcionou bem, faltou muito pra ser uma solução perfeita. Acabei ficando fascinado pelo problema, estou estudando esse espaço por anos, e resolvi criar uma plataforma para abraçar esse tipo de comportamento.

Porém quando eu cheguei em Nova York eu não falava Inglês, e não conhecia ninguém no mercado de startup. Demorou alguns anos para eu criar as condições necessárias pra poder começar o Bondsy.

Brasil no Mundo: Você vive há seis anos em Nova York, o que levou você para os Estados Unidos? Que ambiente você encontra para empreender?


Diego Zambrano: Eu trabalhava com design e publicidade em São Paulo, e o trabalho que eu fiz para clientes como a Skol, Fiat, Claro, e Nike, me renderam propostas de algumas agências fora do Brasil. Eu acabei escolhendo Nova York para ser a minha nova casa.

Eu acredito que empreender seja difícil em qualquer lugar do mundo, mas o ambiente aqui é favorável, e a comunidade de startup de Nova York é bem unida e colaborativa, principalmente se você estiver construindo algo que as pessoas querem ver dar certo.

Brasil no Mundo: Você classifica o Bondsy como uma “rede social de coisas”, como funciona toda a operação?

Diego Zambrano: O Bondsy é a uma nova forma de vender e trocar produtos e serviços com seus amigos, sem a obrigação de definir um valor monetário.

Parte da idéia vem do fato de que é fácil confiar nos amigos, e é muito mais fácil confiar em amigos dos amigos do que em estranhos. E é importante ressaltar que no Bondsy tudo é privado, você só pode receber ofertas de gente conectada a você.

Para usar é bem simples: Você tira uma foto, escreve uma história sobre o produto, e adiciona quantos “preços” você quiser. Os nossos preços têm forma livre e, portanto, você pode pedir qualquer coisa na troca ou venda, ou até mesmo oferecê-la de graça. Quando achar algo que você queira, basta clicar em “Grab” (Pegar) e fazer uma oferta.

Brasil no Mundo: Literalmente você está chamando a atenção de investidores americanos, como está sendo a relação com os mesmos? Que desafios você está encontrando pela frente?

Diego Zambrano: Eu tenho uma ótima relação com os nossos investidores, eles dão muito apoio, e eu aprendo muito com eles.

Brasil no Mundo: Qual é a sua estrutura hoje para tocar o Bondsy?

Diego Zambrano: O nosso time tem 4 profissionais: Um designer, dois engenheiros, e um diretor de operações. E o nosso escritório é baseado no Brooklyn, perto da Brooklyn Bridge.

Brasil no Mundo: Quais os próximos passos para o avanço do Bondsy?

Diego Zambrano: Estamos 100% focados em oferecer o melhor serviço possível, e crescer a nossa base de usuários globalmente. Vem muita coisa nova pela frente, e estamos bem empolgados pra ver como a galera vai usar as novas funcionalidades.

Brasil no Mundo: Quais os próximos projetos e empreendimentos do Diego Zambrano?

Diego Zambrano: Meus próximos projetos são: Bondsy 2.0, Bondsy 3.0, Bondsy 4.0, … :)

Brasil no Mundo: Que conselhos você daria para jovens empreendedores brasileiros que buscam inovar em T.I., e redes sociais?

Diego Zambrano: Crie projetos originais, pense grande, e aprenda a falar Inglês.

Bio de Diego Zambrano:

Diego Zambrano <http://twitter.com/workforfood> é um designer Brasileiro que trabalhou como diretor de criação em publicidade por quase 10 anos, em agências como Ogilvy NY, R/GA NY e Saatchi Brasil, para clientes como Skol, Fiat, Nike, IKEA, entre outros.

Ele é um colecionador de objetos <http://www.weightofobjects.com/post/13529963631/diegozambrano> que ajudam a contar histórias sobre a sua vida. Ele também é um chefe de cozinha amador, e quando ele ofereceu um jantar feito por ele no Bondsy, ele recebeu 9 ofertas em menos de 30 minutos.

Diego não faz a barba desde 2009, e a revista Forbes uma vez o denominou “um Brasileiro com barba de lenhador”.

https://twitter.com/workforfood

 

 

 

Comentários (0) 

  • Termo de uso | Comentários sujeitos a moderação
Expandir todos os 0
Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados