A melhor formação profissional

Marcelo Cuellar

Não é mais novidade o tema de falta de profissionais no mercado em virtude da baixa qualificação de mão-de-obra e diversas discussões acerca do papel da educação no desenvolvimento do país.

É inegável que um dos pilares do crescimento sustentável de um país seja a educação de qualidade, mas também há outro ponto: e qual é a explicação quando observamos casos de profissionais muito bem formados e com grande experiência que não conseguem recolocação? Profissionais jovens recém saídos do mestrado ou doutorado que sentem dificuldade em se recolocar no mercado? Afinal, não faltam profissionais qualificados?

Talvez a grande questão seja que quando o mercado diz falta de qualificação nem sempre quer dizer falta de qualificação técnica ou acadêmica (especialmente quando falamos de posições executivas e de gestão). Há hoje no mercado a carência de profissionais que possuam competências aprendidas única e exclusivamente com a aplicação do que se aprendeu na academia de qualidade.

Para exemplificar de uma maneira simples, dê uma olhada no trailler do filme abaixo:

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

O filme “Quem quer ser um milionário” conta a história de um garoto criado em uma favela indiana que ganha um concurso de televisão acertando perguntas de conhecimentos gerais com base em sua própria história de vida. Como se o resumo fosse: toda sua vida, toda sua história dão as respostas corretas.

Fazendo o paralelo, é assim que se formam os excelentes executivos: são aqueles que aprendem com suas vivências diárias e encaram tudo como um aprendizado. É lógico que não há como esquecer a relevância da formação acadêmica, mas o que as empresas querem de fato são as respostas que a prática ensinou.

Quando pensamos assim, suas experiências profissionais (boas e ruins) quando bem aproveitadas podem te levar a ganhar “o prêmio do milhão” e torná-lo bem-sucedido.

E para aproveitar os momentos profissionais e transformá-los em aprendizado você precisará de resiliência, inteligência emocional, empatia, paciência, humildade e trabalho duro. E este tipo de competências dificilmente você aprenderá em um MBA ou pós-graduação.

E o sucesso – na minha experiência – pode até ser uma questão de sorte, mas a sorte costuma chegar para quem está bem preparado.

Por isso, arrisque-se. Quanto maior o risco, maior o retorno. E saiba que todo mundo tem medo de errar, afinal quem se sente pronto para viver?

BOA SORTE!!

p.s.: este post nasceu de um insight dado pela minha amiga e leitora do blog Paula Gomes. Obrigado Paula!

Comentários
A seção Blogs é melhor vista nas versões recentes dos browsers Chrome, Firefox, Safari e Internet Explorer. Não funciona no IE na versão 8 ou inferiores.