Boas práticas. Grandes resultados. | EXAME.com
São Paulo
Germano Luders
Carregando

Boas práticas. Grandes resultados.

Marcelo José Ferraz Ferreira

Nesta última sexta-feira, representantes do departamento jurídico do Banco Bradesco visitaram a sede do Tribunal Regional do Trabalho da 6. Região, com sede em Recife, onde tiveram um encontro com a presidente do tribunal.

Tal iniciativa mostra-se bastante salutar, pois aproxima a instituição financeira do Poder Judiciário, ao passo em que demonstra, no mínimo, predisposição para a solução das controvérsias trabalhistas a que, invariável e inevitavelmente, a grande maioria das empresas estão sujeitas, notadamente aquelas de grande presença no mercado como um todo, como o próprio Bradesco.

Trata-se de postura estratégica, mas com efetivo viés de apresentar ou de discutir meios a serem implementados – ainda que a médio ou longo prazo -, com vistas à redução da demanda e do passivo trabalhista, o que acaba por beneficiar a todos os envolvidos na relação processual, ou seja, o ex-empregado, ou terceiro que pretende o reconhecimento de vínculo ou responsabilidade trabalhista (que vê seu direito reconhecido e seu crédito trabalhista satisfeito, conforme o caso); o banco (que diminui o seu passivo trabalhista, com a maior brevidade possível, evitando-se a sua majoração com o passar do tempo, em decorrência da incidência de juros e correção monetária); além do Poder Judiciário (com a progressiva redução de processos, em prol dos próprios jurisdicionados como um todo, em última análise).

Louvável, pois, a atitude do banco Bradesco, que demonstra atuação do seu departamento jurídico de forma estratégica, com vistas à maximização dos seus resultados financeiros (ou, ao menos, visto sob outro prisma, à eliminação da perda desnecessária de recursos).

Quer receber atualizações desse blog e outros conteúdos sobre o universo jurídico nas empresas ? Assine a newsletter ao final da pagina clicando aqui.

Marcelo José Ferraz Ferreira

Leia também:

WhatsApp e custos desnecessarios
Faça o que eu digo, mas…
Compliance e Jurídico: separados, mas juntos.
As suas mensagens no Skype são sigilosas ?
Veja a clausula anticorrupção.

Comentários