Serasa: pagamento em dia de MPE é de 95,1% em junho

Pesquisa indica que, a cada 1 mil pagamentos, 951 foram quitados à vista ou com atraso de no máximo sete dias

São Paulo – A pontualidade de pagamento das micro e pequenas empresas (MPEs) do País em junho subiu 0,6 ponto porcentual em relação a maio, mas caiu 0,3 ponto porcentual ante junho de 2010. Segundo pesquisa divulgada hoje pela Serasa Experian, o indicador atingiu o patamar de 95,1% em junho. Isso significa que, a cada 1 mil pagamentos, 951 foram quitados à vista ou com atraso de no máximo sete dias, enquanto os demais pagamentos tiveram atraso maior que sete dias. O levantamento desconsidera as dívidas não quitadas.

No acumulado do primeiro semestre, a pontualidade de pagamentos foi de 94,7%, o mesmo porcentual de igual período do ano passado.

Com a queda da pontualidade de pagamento em junho ante o mesmo mês do ano passado, o indicador registra a quarta baixa mensal consecutiva na comparação anual. “Apesar da amplitude da variação não ser grande, o resultado indica uma tendência de queda nos próximos meses”, afirma Luiz Rabi, gerente de indicadores econômicos da Serasa Experian.

Em nota, a entidade acrescenta que a queda pode ser explicada pela alta dos juros e consequente aperto nas condições de crédito, que estão produzindo efeitos adversos sobre o custo financeiro e o caixa das micro e pequenas empresas. O movimento afeta negativamente a pontualidade de pagamentos junto aos seus credores financeiros e operacionais, explica a entidade.

Indicadores

A maior queda de pontualidade em junho de 2011 ante junho de 2010 ocorreu entre as micro e pequenas empresas do setor de serviços (recuo de 0,7 ponto porcentual), seguida pelas do setor industrial (recuo de 0,5 ponto porcentual). No setor comercial houve elevação de 0,1 ponto na pontualidade de pagamento neste período.

O valor médio dos pagamentos realizados pontualmente no primeiro semestre de 2011 cresceu 4,6% ante o mesmo período do ano passado, subindo de R$ 1.499,09 para R$ 1.567,78. A variação fica abaixo da inflação de 6,3% medida no período pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Na avaliação da Serasa Experian, esse dado pode ser considerado um sinal extra das dificuldades das micro e pequenas empresas em quitar seus compromissos em dia, apesar da queda do valor dos pagamentos em termos reais.