O que muda em uma startup com a chegada de um investidor?

O investidor, por não estar no dia a dia da empresa, tem sempre a expectativa de ser informado sobre o seu desenvolvimento

O que muda em uma startup com a chegada de um investidor?

Respondido por Cassio Spina, especialista em startups

Um investidor também é um sócio da startup, assim, tendo os mesmos direitos e obrigações de outros sócios, sem uma atuação direta no dia a dia da companhia, com uma visão mais financeira do negócio.

Outro aspecto que distingue o investidor são seus objetivos. Enquanto na maioria dos casos os empreendedores criam o negócio para sua realização profissional, o investidor tem como principal objetivo obter o maior retorno possível do seu investimento, implicando em mudanças no foco da empresa.

Neste sentido, a relação entre os sócios empreendedores e o investidor possui características específicas que precisam ser bem cuidadas, para minimizar possibilidades de conflitos entre as partes, em especial nos momentos mais difíceis.

O investidor, por não estar no dia a dia da empresa, tem sempre a expectativa de ser informado sobre o seu desenvolvimento, tanto do ponto de vista financeiro quanto operacional, bem como de participar de decisões estratégicas, como aprovação de orçamento anual da empresa, decisões sobre contratação/demissão de funcionários chave, contratação de empréstimos e alienação de patrimônio.

Outro aspecto fundamental é separar completamente as contas dos sócios pessoa física com as da empresa. Cada sócio executivo deverá ter uma retirada mensal fixa, o chamado pró-labore, acordado previamente com o investidor. Enfim, a empresa precisará exercer as práticas básicas de governança, tanto nos aspectos de gestão quanto de transparência para com o investidor.

Desta forma, é altamente recomendável que seja estabelecido o chamado Acordo de Quotistas, para Ltdas., ou Acordo de Acionistas, para as Sociedades Anônimas, definindo claramente a relação entre investidores e empreendedores, os direitos e obrigações de cada um, a frequência de apresentação de relatórios e a forma de tomadas de decisões estratégicas, pois assim ficará predefinido claramente desde o inicio como deverá ser esta relação

Mas, tão importante quanto uma boa elaboração destes acordos é existir empatia e sintonia entre os empreendedores e o investidor, por isto, durante todo processo de negociação ambos devem avaliar se tem uma visão comum dos objetivos e metas para a empresa, bem como clareza das expectativas mútuas para que se tenha uma sociedade de sucesso.

Cassio A. Spina foi empreendedor por 25 anos, é investidor-anjo e fundador da Anjos do Brasil.

Envie suas dúvidas com a palavra startups no assunto da mensagem para examecanalpme@abril.com.br