São Paulo – O ano era 2001 e os profissionais da área de tecnologia Luiz Carlos Jarez e Marco Antonio Corradini tinham uma ideia: levar o serviço de entrega de restaurantes para a internet.

Nas horas vagas, a dupla, que trabalhava em projetos de consultoria de grandes empresas da área financeira, desenvolveu o RestauranteWeb, uma plataforma de comércio eletrônico para estabelecimentos de alimentação.

Mas a proposta não vingou. “O acesso à internet era limitado, a demanda era fraca e decidimos engavetar o projeto”, conta Corradini. 

Em 2005, os empreendedores decidiram dar uma nova chance à ideia. “A banda larga começava a se disseminar e o consumidor online brasileiro tinha amadurecido”, explica Corradini. O RestauranteWeb voltava então à ativa com uma nova proposta: tornar-se uma espécie de praça de alimentação virtual.

Em vez de oferecer o sistema individualmente a cada restaurante para que eles criassem seus próprios deliveries online, os empreendedores passaram a convidá-los a integrar uma plataforma única, onde os clientes pudessem encontrar mais opções na hora de fazer seus pedidos.

“O cliente passa a encontrar uma variedade maior e o estabelecimento chega a pessoas que não iriam direto ao seu site”, justifica o empreendedor. 

A integração entre a plataforma e o delivery do restaurante é feita de forma 100% automática, sem intervenção humana. “Assim que o pedido é fechado, ele entra imediatamente na fila de entrega da loja”, ele explica.

Além de livrar o consumidor das longas esperas do atendimento telefônico, o sistema permite que ele visualize todas as opções oferecidas e preços praticados pelo estabelecimento antes de decidir o que irá pedir. 

Já o estabelecimento se beneficia com a chegada de pedidos por um canal adicional, que não exige a dedicação exclusiva de um funcionário. “Algumas lojas já registram 30% dos pedidos do delivery pela internet”, destaca Corradini.

Para aumentar a atratividade e vencer a resistência dos clientes mais desconfiados, o RestauranteWeb oferece ainda descontos exclusivos para os pedidos feitos pelo site, que podem chegara a até 50% em alguns casos.

A plataforma, que começou com 50 estabelecimentos credenciados cinco anos atrás, já tem mais de 1 mil restaurantes no portfólio e deve ultrapassar a marca dos 1,5 mil até o final do ano. Marcas como Arábia, China House, Gendai e Subway fazem parte da rede.

Diariamente, cerca de 1,4 mil clientes fazem pedidos através do site, que movimentará R$ 30 milhões nesta ano. A plataforma fica com uma comissão de 4% a 8% do valor do pedido, dependendo a negociação feita com o estabelecimento.

A receita do RestauranteWeb chegou a R$ 1,5 milhão em 2010 e deve crescer para R$ 2,3 milhões neste ano. Para sustentar o crescimento, a empresa investirá principalmente em ações de marketing digital.

Tópicos: Empreendedores, Pequenas empresas, Restaurantes