São Paulo – Buscar investimento pode ser um pesadelo para muitos empreendedores. No caso dos sócios Gunnar Lovelace e Nick Green, significou ouvir mais de 20 "nãos". Porém, isso não os fez desistir do negócio --pelo contrário, eles buscaram melhorá-lo.

Os dois são co-CEOs do Thrive Market, uma startup americana que vende produtos naturais e orgânicos pela internet. Pouco mais de um ano depois, os empreendedores comemoram 180 mil usuários e um aporte de 58 milhões de dólares. O dinheiro veio do fundo Greycroft Partners e de celebridades como John Legend e Demi Moore, informa o Business Insider.

Mas isso só aconteceu depois de muito trabalho. Após terem sua ideia rejeitada, os co-CEOs do Thrive Market resolveram fazer algumas mudanças no negócio, ao lado dos também fundadores Sasha Siddhartha and Kate Mulling. A maré só começou a mudar depois que eles passaram a vender um estilo de vida, em vez de oferecer apenas produtos. Outra sacada foi buscar apoio de quem entendia a necessidade que eles se propunham a suprir, como famosos ligados à área da saúde e ao mundo fitness.

A aposta se mostrou acertada. Ainda segundo o Business Insider, em três meses eles precisaram se mudar para um galpão dez vezes maior. Para Green, além das adaptações na abordagem no negócio, a falta de confiança dos fundos no primeiro momento se deveu também ao distanciamento entre esses investidores e as necessidades da classe média americana.

O serviço funciona com base num sistema de assinaturas. Cada cliente paga uma taxa de 60 dólares por ano, em troca de descontos de até 50% nos produtos. O site já oferece 4 mil produtos, de 400 marcas diferentes. Agora, o Thrive Market aposta nos produtos de marca própria. De acordo com o site da Fortune, a empresa espera ter cerca de cem itens do tipo até o fim do primeiro semestre. A estratégia faz parte do objetivo de oferecer produtos orgânicos a um preço acessível para os clientes. Além de alimentos, o site vende produtos sem aditivos químicos para bebês (como fraldas), cosméticos naturais não testados em animais, dentre outros.

Tópicos: Comércio eletrônico, Internet, Produtos orgânicos, Startups