Belo Horizonte - Projetos de 40 startups desenvolvidos nos últimos seis meses em Belo Horizonte pelo SEED (Programa de Desenvolvimento do Ecossistema de Empreendedorismo e Startups) e pelo Acelera MGTI, foram avaliados nesta sexta-feira como propulsores do estado como polo "de inovação e empreendedorismo".

O diretor-presidente do Escritório de Prioridades Estratégicas de Gerais, André Barrence, aproveitou para anunciar a parceria com o Conselho Nacional de Imigração para estimular que os pesquisadores de startups internacionais continuem no Brasil por meio do programa do governo estadual.

"Ampliamos a nossa parceria com o Conselho Nacional de Imigração. A partir de agosto deste ano, o SEED irá solicitar visto permanente para os empreendedores que queiram constituir legalmente suas startups em Minas Gerais", disse.

Segundo ele, o prazo esperado entre a solicitação do visto ao Conselho Nacional de Imigração e sua concessão será de um mês.

"Vamos ficar em Belo Horizonte porque, além do custo de vida aqui ser ótimo, é uma cidade maravilhosa (...) e tem as melhores iniciativas de tecnologia do Brasil", destacou Drew Beaurline, CEO da Construct, startup norte-americana acelerada pelo SEED.

A feira "Demoday", realizada ontem, reuniu 426 participantes, entre eles 95 investidores e 40 startups, com o objetivo de contribuir para desenvolvimento de network e atrair investimento para os projetos que estão sendo desenvolvidos na capital mineira.

Entre as startups brasileiras está a "Cabe na Mala", em que a empresa carioca desenvolveu uma intermediação entre pessoas que querem comprar produtos no exterior e viajantes que podem trazer a compra na bagagem.

Outras iniciativas estão na área de logística, transportadoras e até mesmo terceirização de serviços de publicidade mais baratos.

"Companhias quebram. Ideias falham. Os empreendedores devem estar certos disso e ter força para começar de novo", afirmou Mike Lyons, da Shadow Networks e professor da Stanford University, que fez uma palestra de abertura para as 100 pessoas que participaram do projeto.

De acordo com Barrence, o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) aprovou investimentos no Fundo da Microsoft, o Brasil Aceleradora de Startups.

"Isto significa que as startups sediadas em Minas terão a oportunidade de receber um novo aporte de recursos e uma nova rodada de aceleração na fase mais crítica do ciclo de vida dessas empresas", explicou o diretor.

Tópicos: Empreendedorismo, Pequenas empresas, Empreendedores, Inovação, Minas Gerais, Startups