São Paulo –Andrew Griffiths é um dos empreendedores seriais mais conhecidos da Austrália. Ele comprou seu primeiro negócio aos 18 anos de idade: um negócio de mergulho em Sydney. Com o tempo, abriu empreendimentos em setores como turismo e marketing, além de ter colaborado com empreendedores como Richard Branson, do grupo Virgin.

Hoje, Griffiths foca mais em dar palestras e produzir textos: ele já escreveu 12 best-sellers sobre como começar, administrar e escalar pequenas empresas. Porém, o autor também é um leitor voraz – ao menos quando se trata do livro “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas”, escrito por Dale Carnegie.

O empreendedor contou em um artigo no site Inc.com que lê a obra de Carnegie todos os anos, durante o feriado de Natal. Ele leu o livro nada menos que 30 vezes, e garante que o esforço não é em vão. “Toda vez que leio esse livro eu aprendo algo novo, interpreto alguma informação com um novo olhar, sou lembrado das mensagens que acabo esquecendo na minha rotina atribulada e, por fim, eu me divirto tanto quanto da primeira vez”, escreve Griffiths.

“Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas” é um sucesso de vendas, com milhões de cópias comercializadas. Como diz o próprio título, a proposta é ensinar como se relacionar com as pessoas no âmbito profissional e pessoal, por meio de técnicas simples e eficazes. O livro já foi indicado em EXAME.com como uma obra que ensina mais do que um MBA.

Mas, para Griffiths, a releitura não é exclusividade do texto de Dale Carnegie. Segundo o empreendedor, os clássicos de negócios, autoajuda e até mesmo ficção possuem esta característica em comum: tornam possível aprender algo que não havia sido aprendido na leitura anterior, já que nossa visão do mundo muda com o tempo. “Eu fiquei mais velho e – espero – um pouco mais sábio. É justo admitir que tive mais experiências na minha vida e que elas me tornaram uma pessoa diferente, aberta para interpretar a informação de uma forma diferente”, escreve.

Planos para o futuro? Ler “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas” pelo menos outras 30 vezes, afirma o empreendedor. “Pode não ser para todo mundo, mas reler os livros que tiveram um impacto profundo na minha vida, de novo e de novo, é uma grande ajuda para que eu me mantenha no caminho correto, e para me inspirar a ser um empreendedor melhor e uma pessoa melhor.”

Tópicos: Empreendedores, Empreendedorismo, Pequenas empresas, Livros