Brasília terá primeira incubadora de startups do setor jurídico

Universidades e setor privado vão trabalhar em conjunto para criar inovações para o setor jurídico

Uma iniciativa lançada nesta terça-feira (6) em Brasília promete articular a academia e o setor privado em torno de ideias inovadoras para o setor jurídico.

A partir do próximo ano, a capital federal ganhará a primeira aceleradora de startups voltada para inovações no sistema judicial brasileiro.

Definidas como empresas que surgem no mercado com ideias inovadoras, as startups podem contar com o apoio de investidores, chamados de incubadoras ou aceleradoras, para crescerem mais rápido.

Chamada de Unicorn Accelerator, a aceleradora lançada hoje em Brasília terá R$ 10 milhões de recursos da empresa proprietária, a Oxigênio Inc, para investir em 200 projetos de estudantes e de empreendedores que atuam no setor jurídico no Centro-Oeste.

De acordo com a Unicorn, a aceleradora terá o objetivo de unir as melhores ideias acadêmicas e do setor privado em torno de investimentos em inovação.

Participam do projeto seis faculdades e universidades do Distrito Federal: a Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Católica de Brasília (UCB), o Centro Universitário de Brasília (UniCeub), o Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), o Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb) e a União Pioneira de Integração Social (Upis).

Ao todo, 120 mil estudantes de direito podem ser beneficiados pela aceleradora. Durante oito semanas de programa, as startups passarão por etapas de trabalho que abrangem avaliação do mercado, projeção financeira, montagem do protótipo da empresa e construção do modelo de negócios.

Em seguida, as empresas mais promissoras serão selecionadas e deverão desenvolver o plano de negócios, com consultoria da aceleradora, até um dia em que todas as empresas farão uma demonstração para atrair investidores.