Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

BNDES amplia desembolso a micro, pequenas e médias empresas

BNDES facilitou o financiamento às micro e pequenas empresas, mas também subiu os juros, até dos contratos já firmados

Rio – O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou um pacote de medidas que facilita o financiamento aos micros, pequenos e médios (MPMs) empresários.

Por outro lado, no entanto, aumenta os juros, mesmo de contratos já firmados dentro do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), conforme antecipou o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) na segunda-feira, 12.

A intenção é ampliar o desembolso a esse grupo de empresas em R$ 5,4 bilhões em um ano, contados a partir do início de 2017.

Na prática, a medida enterra o PSI, uma marca do governo petista, que liberou dinheiro a custo baixíssimo, obrigando o Tesouro Nacional a, por vezes, complementar o orçamento do banco.

Entre as medidas está o refinanciamento de contratos que ainda têm parcelas em aberto, parte por inadimplência. Ao todo, o banco conta com R$ 100 bilhões a receber de contratos passados.

Desse total, R$ 10 bilhões devem ser renegociados com MPMs, para que, em vez dos juros de 2,5% a 5,5% cobrados no passado, paguem TJLP de 7,5%. Em contrapartida, é oferecido o alongamento do pedaço do pagamento.

Com isso, o Tesouro não precisará mais fazer equalizações – repasse de créditos ao BNDES -, segundo o diretor de Operações Indiretas do banco, Ricardo Ramos.

Para os agentes repassadores, o ganho é evitar a inadimplência por conta do alongamento do prazo e da alternativa dada ao cliente de ter a garantia de liberação do dinheiro sem a demora por atraso no pagamento.

Entre as facilidades oferecidas às empresas de menor porte está a extensão do limite de faturamento exigido para o enquadramento, de R$ 90 milhões para R$ 300 milhões; redução do processo de financiamento, de 30 para dois dias úteis; e liberação de até R$ 70 milhões para capital de giro, com prazo de pagamento de cinco anos.

A liberação de dinheiro para capital de giro, inclusive para grandes empresas, será retomada pelo banco em sua nova política operacional, que deve ser anunciada em janeiro, segundo Ramos.

Ele diz que as mudanças são estratégicas e não conjunturais. Portanto, não estariam diretamente relacionadas à crise econômica.

Mas a recessão e a velocidade com que a atividade vai se recuperar em 2017 podem afetar a meta de desembolso. “Se tudo o que fazemos hoje tivesse sido feito antes, 2016 teria sido melhor”, afirmou.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Carlos Pereira dos Santos

    A pergunta que não quer calar. Como fica a situação dos repassadores com as novas medidas já que alguns produtos como capital de giro poderão ser contratados diretamente com o BNDEs? antes da medida, o acesso ao capital de giro somente através dos repassadores sendo que esta modalidade tem volume e frequência já que os empresários utilizam para oxigenar a empresa. Alguma suposição?