8 passos para um negócio com sócios que realmente dá certo

Alguns comportamentos certamente ajudam a manter uma sociedade de sucesso. Veja quais são eles:

Como nutrir uma sociedade de valor?

Uma relação que tem como ingredientes dinheiro, super convivência, amor, família, amizades e questões culturais – como sobreviver a ela? Essa é uma equação (difícil), e é justamente a de uma sociedade.

Sou empreendedora há quase nove anos e o que mais vi em todos este tempo trabalhando com empreendedores são problemas de sociedade – tanto a dificuldade em construir como em manter. Eu mesma já passei por esses dilemas, porque já tive uma sociedade que não funcionou.

Mas, considerando essa mistura quase explosiva, é possível ter uma sociedade de sucesso? Sim, é possível: existem vários casos famosos de sociedade que funcionaram muito bem e a maioria dos negócios de sucesso são compostos por sociedades.

Importante entender que, em sociedade e principalmente na nossa cultura, estamos falando de relações humanas. Elas são difíceis, não importa em que grau: de amizade, familiar, passional ou profissional.

Existe algum segredo para sociedades de sucesso? Não acredito em fórmulas mágicas, nem em segredos, mas acredito em alguns comportamentos que certamente ajudam a manter uma sociedade de sucesso. Veja quais são eles:

1. Não faça sociedade somente por amizade. Faça por competência, e dê preferência às competências complementares: ter sócios com o mesmo perfil é um atalho para os problemas.

2. É importante alinhar valores de vida com seus sócios. Pessoas com mesmos valores têm mais chance de dar certo juntas – por exemplo, saiba o que buscam e qual será sua dedicação ao negócio.

3. Alinhe valores éticos (o que é inegociável para você) e certifique-se de que seus sócios têm os mesmos valores. Ética deveria ser uma regra para todos, mas infelizmente já vi muitas sociedades acabarem por diferenças éticas.

4. Estabeleça as regras do jogo desde o início da sociedade de forma clara e transparente no contrato da empresa – ou seja, regras de administração com papéis e responsabilidades bem definidos para cada sócio. Isso não evita 100% dos problemas, mas contribui bastante para diminuição dos conflitos.

5. É difícil, mas essencial, não misturar questões pessoais ou familiares com a empresa. Evite envolver os cônjuges nas questões do negócio. Muitas vezes, as opiniões do cônjuge que não estão na operação é que causam transtornos à empresa.

6. Estabeleça uma governança mínima, com reuniões para discutir o andamento da empresa, e respeitem as opiniões divergentes.

7. Tenha um conselheiro/mentor que tenha a neutralidade necessária para ajudá-los em possíveis divergências e, se possível e a empresa tiver condições, elejam um conselho consultivo para o negócios – pessoas de confiança não envolvidas na família e que podem contribuir com as decisões.

8. Parece redundante, mas foquem no objetivo comum, que é o sucesso da empresa. Deixem de lado picuinhas, vaidades e questões emocionais que podem destruir um negócio promissor.

É impossível separar as empresas das pessoas e, com isso, torna-se extremamente importante as relações de respeito e uma boa dose de empatia. A resiliência é uma das mais importantes características de um empreendedor e é um item fundamental para manutenção de uma sociedade de sucesso.

Ana Fontes é fundadora da Rede Mulher Empreendedora.

Envie suas dúvidas sobre empreendedorismo feminino para pme-exame@abril.com.br.