7 fontes de dinheiro para começar o seu próprio negócio

A barreira mais comum mencionada pelos empreendedores para começar um negócio próprio é a ausência de um capital inicial.

A barreira mais comum mencionada pelos empreendedores para começar um negócio próprio – não só no Brasil, mas em todo o mundo – é a ausência de um capital inicial.

Mas o que esses empreendedores de primeira viagem desconhecem é que a imensa maioria das empresas, grandes ou pequenas, famosas ou desconhecidas, regionais ou globais, começou com muito pouco dinheiro, quase sempre com o (quase inexistente) capital que dispunha.

Esse dinheiro pode ser algo como 100 ou 200 reais, como ocorre com os milhares de exemplos de empreendedores que passaram pelo programa Empretec, oferecido pelo Sebrae no Brasil.

Nessa iniciativa, os candidatos a empreendedores são desafiados a gerar renda com uma ideia que exija muito pouco capital. Não raro, os participantes se surpreendem em conseguir dois, três, quatro mil reais em uma semana. Um amigo conseguiu vender quatro mil reais de berinjela em conserva seguindo uma receita italiana da sua avó, por exemplo.

1. Dinheiro dos bens e reservas já existentes

O capital inicial pode ser as poucas economias guardadas ou um bem de algum valor que pode ser vendido. Foi isto que fez Luiz Seabra, ao vender seu fusca para alugar e reformar uma pequena borracharia, que viraria a Natura Cosméticos.

2. Dinheiro de amigos e familiares

Outra fonte de recursos bastante comum são os familiares, amigos e conhecidos. Sam Walton conseguiu um investimento do seu sogro para fundar a Walmart. Jeff Bezzos fez a mesma coisa para criar a Amazon.com.

3. Pré-pagamentos e financiamentos coletivos

Em alguns casos, ainda é possível criar um negócio com poucos recursos utilizando uma lógica conhecida por pré-pagamento, onde o futuro cliente paga antecipadamente para receber o produto ou serviço depois que o negócio já estiver funcionando.

Meyer Nigri e Bento Koike fizeram exatamente isso para arranjar recursos para fundar a Tecnisa e a Tecsis, respectivamente.

Jovem engenheiro cível formado, Nigri convenceu o dono de um terreno a cedê-lo em troca de apartamentos no prédio que seria construído no local e, depois, vários amigos e conhecidos também pagaram antecipadamente para terem direito a comprar os apartamentos na planta. Isso é comum agora, mas era uma novidade em 1977. Koike fez exatamente a mesma coisa, mas com pás imensas utilizadas em usinas de energia eólica.

Atualmente, essa mesma abordagem é utilizada em plataformas de financiamento coletivo (crowdfunding).

Há casos de grandes sucessos como a Rift, cujo óculos de realidade virtual captou mais de US$ 2 milhões, ou a Pebble, que conseguiu mais de US$ 10 milhões em 37 dias, ambos via Kickstarter.

No Brasil, há diversas plataformas semelhantes como Catarse, Kickante ou Benfeitoria, mas o mercado de financiamento coletivo não está tão desenvolvido como nos Estados Unidos e há mais exemplos de insucesso, como o da hamburgueria Zebeleo.

4. Empréstimos

Depois do capital próprio, de familiares, amigos e financiamento coletivo, o empreendedor poderia recorrer à algumas (poucas) alternativas de empréstimos. Mas são poucas as opções realmente atrativas para o empreendedor de primeira viagem, já que as taxas de juros e as exigências de garantias são praticamente inviáveis na maioria dos casos.

Mesmo assim, algumas opções merecem ser estudadas. A primeira é o FINAME, uma linha do BNDES oferecida por bancos conveniados. É interessante para negócios que exigem a compra de máquinas e equipamentos e é uma linha atraente, pois os juros são reduzidos – o próprio bem financiado serve como garantia.

Outra linha de empréstimo que pode ser conveniente são as oferecidas pelos principais bancos para quem pretende abrir uma franquia. As exigências de garantias são menores, já que o franqueador influencia na decisão do empréstimo.

Para negócios que exigem muito pouco capital, algumas instituições, como o Banco Pérola, ainda oferecem linhas conhecidas como microcrédito.

5. Investimento-anjo e fundos

Empreendedores que estejam planejando negócios com altíssimo potencial de crescimento podem recorrer aos investidores de capital de risco. O mercado evoluiu muito e há players muito bem consolidados.

Se demandar recursos entre 30 a 300 mil reais, por exemplo, é possível tentar o apoio de investidores-anjos, que são pessoas físicas com recurso para investir em negócios de alto potencial de crescimento. A média de investimento tem ficado em torno de 90 mil reais, mas há exemplos de aportes que ultrapassaram um milhão de reais, mas são mais raros.

No Brasil, a Anjos do Brasil é a principal entidade que reúne investidores assim. Mas há outras redes importantes, como Harvard Angels, Gávea Angels e Bossa Nova.

A novidade no investimento anjo são as plataformas de crowdfunding de investidores anjo. Nesse caso, vários investidores entram simultaneamente em um mesmo aporte, coordenado por estas plataformas. No Brasil, destacam-se o Broota e o Startmeup.

Em geral, os investidores anjos são os investidores de capital de risco que, tradicionalmente, investem em negócios em suas fases iniciais. Mas, em alguns casos muito específicos de startups muito bem estruturadas, tais empreendedores profissionais podem recorrer aos investidores de seed capital e de venture capital.

No seed capital, os investidores podem entrar com aportes bem maiores do que os anjos, entre 500 mil a 3 milhões de reais. Mas há poucos investidores que se posicionam como seed capital. Alguns, como Pitanga, Redpoint eVentures e DGS Ventures, conseguem fazer operações de seed.

Negócios de alto potencial de crescimento e que demandam recursos entre 2 ou 3 à 5 milhões de reais podem buscar o apoio de investidores de venture capital. Nesse caso, os principais players são associados da ABVCAP, associação que reúne os investidores de capital de risco no Brasil.

6. Aceleradoras

Outra fonte de recurso pouco conhecida pode ser as aceleradoras. Além de apoio gerencial, mentoria e rede de relacionamentos, algumas aceleradoras de startups no Brasil também aportam recursos que pode variar entre 30 a 50 mil até 200 mil reais. As principais aceleradoras são associadas à ABRAII.

7. Fundos governamentais

Por fim, alguns negócios nascentes podem recorrer a recursos não reembolsáveis oferecidos por entidades governamentais como CNPq, FINEP, BNDES e fundações estaduais de amparo à pesquisa. Entre as fundações, destaque para a FAPESP que oferece desde 1997 até R$ 1,2 milhões para empreendedores com projetos de pesquisa que gerem inovações tecnológicas por meio do PIPE.

As alternativas de fontes de capital paras os empreendedores ainda são muito reduzidas. Mas, por experiência própria (con)vivendo há mais de vinte anos neste ambiente, em geral, sobram recursos para bons projetos, muito em função do desconhecimento.

Marcelo Nakagawa é professor de empreendedorismo do Insper.

Envie suas dúvidas sobre primeiro negócio para pme-exame@abril.com.br.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s