Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

10 respostas às questões mais comuns de quem vai abrir um negócio

Muitos futuros empreendedores são movidos pela vontade de “não ter chefe” e pela possibilidade de ficarem ricos. É preciso ter cuidado com pré-conceitos.

Está pensando em empreender?

Há nove anos, quando iniciei minha jornada no mundo dos empreendedores, a palavra empreendedorismo não era tão pop quanto é hoje; ainda não estávamos na moda. De lá pra cá, muita coisa mudou: empreender virou o sonho de milhões de brasileiros, muitos movidos pela vontade de “não ter chefe” e pela possibilidade de ficarem ricos.

1. Eu vou mesmo ser o único chefe?

Não ter chefe, infelizmente, não é 100% verdade. Você tem muito mais “chefes”: seus clientes, seus parceiros, seus funcionários, todos que dependem de você e da sua empresa. Você vai perceber que essas cobranças são muito piores.

2. Tenho chances de ficar rico?

Sim, claro que tem, se você criar um negócio que gere valor para as pessoas, que resolva problemas reais da sociedade, você tem uma grande chance de ficar rico. Qual o caminho? O que devo aprender?

3. Se já trabalhei em empresas, sei empreender?

A parte difícil: o mundo corporativo não te prepara para empreender. Acredite nisso: eu mesma senti na pele. As regras estabelecidas no ambiente corporativo mais o despreparam, porque o aprisionam numa caixa onde você é responsável pela sua área e pelos seus objetivos, e pouco se preocupa com as demais questões da empresa.

Se precisa de contratação de funcionários, chame o RH; se precisa resolver uma questão jurídica, chame o departamento jurídico; e assim vai. Quando você empreende, não tem a quem chamar a não ser você: sua capacidade, seus conhecimento e suas relações.

4. Posso buscar ajuda?

A primeira coisa é deixar o orgulho de lado e não ter medo de pedir ajuda, de contar com amigos e pessoas do seu relacionamento. Se conseguir, arrume um mentor: alguém reconhecido, com mais experiência e que tenha uma boa rede de relacionamentos. Além de conselhos, vai abrir portas para você.

5. Como posso aprender mais sobre empreender sozinho?

Não conhece o mundo dos empreendedores? Busque capacitação! Existem cursos rápidos que podem ajudá-lo a entender este ambiente e lhe economizam um bom tempo. Todo investimento em conhecimento sempre vale a pena.

Algumas dicas de cursos estão abaixo, mas você pode buscar capacitação também online, como os portais Endeavor, Sebrae e Rede Mulher Empreendedora:

Escola Britânica de Artes Criativas: Empreendedorismo Criativo

Insper: Empreendedorismo em Ação

Saint Paul: Pós em Empreendedorismo e Gestão

6. Como ter ideias?

Não tem ideia de que tipo de negócio abrir? Todo mundo fala para você seguir seu sonho, é verdade, mas não adianta seguir seu sonho se ninguém quiser comprar, certo? Além de seguir o sonho, é importante estar atento aos movimentos da nossa sociedade.

O que isto significa? As melhores oportunidades de negócios estão nos maiores problemas da sociedade.

7. Posso (e devo) empreender sem sócios?

Sozinho ou acompanhado? Empreender já é naturalmente muito solitário. Ter os sócios certos, com competências complementares e com mesmos valores de vida é um bom passo para o sucesso do seu negócio.

8. Dá para empreender sem dinheiro?

Com ou sem dinheiro? Dependendo do tipo de negócio, você vai precisar de menos ou mais recursos financeiros. Prepare o terreno, faça uma reserva financeira e reorganize suas despesas.

No início, todo negócio exige investimento, além da sua dedicação de tempo. Essa fase varia de 18 meses a 5 anos, em alguns casos. Anjos investidores só aparecem numa fase mais a frente, quando seu negócio precisa de recurso para crescer. Até lá, você tem que se virar com o que tem ou buscar apoio de familiares e amigos.

9. Tive uma ideia. E agora?

Decidiu qual ideia vai botar de pé? Mão na massa: menos plano de negócio e mais ação. Nessa fase, o mais importante é ter uma versão simples do seu produto ou serviço e testar o processo de vendas com clientes reais. É que o chamamos de MVP (Mínimo Produto Viável), fase importante para testar o modelo, fazer ajustes, corrigir erros e, acima de tudo, gerar aprendizado para o empreendedor.

10. Está dando tudo errado. Devo desistir?

O negócio já está rodando e não está dando os resultados que você imaginava? Bem vindo ao mundo dos empreendedores: onde a rotina não faz parte do jogo, o risco é constante e ter estômago forte vai ajudá-lo a atravessar a fase mais difícil de qualquer negócio.

Mas, acredite: estando no caminho certo, você tem a chance de construir algo que não só vai mudar sua vida, mas pode mudar a sociedade.

Ana Fontes é fundadora da Rede Mulher Empreendedora (RME).

Envie suas dúvidas sobre empreendedorismo para pme-exame@abril.com.br.