10 ideias erradas sobre empreender que só levam ao fracasso

Muitas vezes, o sonho de empreender vem atrelado a ideias erradas. Se não corrigidas a tempo, elas podem até mesmo causar o fim de um negócio promissor.

São Paulo – Muita gente sonha em empreender. O problema é que, muitas vezes, esse sonho vem atrelado a concepções erradas sobre como é o dia a dia do empreendedor.

Se não corrigidas a tempo, essas ilusões podem gerar muito estresse e até mesmo o fim de um negócio promissor.

Por isso, consultamos especialistas para levantar quais as ideias erradas mais comuns entre aqueles que desejam ter o seu próprio negócio. Será que você acredita em alguma delas?

1 – Síndrome de super-homem

Achar que você, empreendedor, precisa dar conta de todas as necessidades do negócio é um erro bem comum entre os principiantes, e que pode levar à estafa e à falta de eficiência.

“O empreendedor não tem que fazer tudo. Ele deve pensar o negócio, mas tem que contar com parceiros, sócios, investidores, funcionários. É preciso distribuir a responsabilidade, caso contrário ele fica sobrecarregado, e o negócio centralizado, muito dependente de sua figura”, explica Marcus Cordeiro, sócio-diretor da consultoria Ba}Stockler.

2 – Empreender para ter sossego

Quem nunca ouviu alguém dizer que vai abrir o próprio negócio para “ser o próprio chefe”, ou “ter mais tempo livre”. Se você pensa assim, saiba que está redondamente enganado – e que há grandes chances de se frustrar com a vida real de um empreendedor.

“Isso é totalmente falso. Primeiro porque ele vai continuar respondendo para alguém, seja um sócio, um investidor ou mesmo seus funcionários. Portanto, a vida sem chefe não é como se imagina. Depois, ele precisa saber que vai trabalhar muito mais do que quando era empregado, mesmo que tenha mais flexibilidade de horário”, explica Cordeiro.

Na visão do especialista, essa falsa imagem de que o empreendedor trabalha menos vem da ideia de que “a empresa trabalha para o empresário e por isso ele tem mais tempo livre para outras atividades”. Segundo ele, essa ideia só se aplica a empresas maiores. “Numa empresa maior, se o negócio se desenvolver, passa a ser mais fácil ter mais tempo. Mas isso só acontece se ele souber delegar e envolver a equipe e os sócios.”

3 – Esperando a ideia genial

Achar que só é possível empreender se você tiver uma ideia genial. Ou ainda que, como você teve uma ideia genial, seu negócio está garantido. Esses dois equívocos levam muita gente para o buraco.

“A ideia representa apenas de 5% a 10% do valor agregado do negócio. O que importante mesmo é como você executa essa ideia e a coloca no mercado. Você pode ter uma grande ideia, mas não saber traduzi-la para os clientes”, explica Cordeiro.

O melhor caminho, segundo o especialista, é olhar em primeiro lugar para o cliente, e para quais necessidades dele o empreendedor deseja atender. “Só então ele deve olhar para a ideia. E não precisa ser uma ideia que vai mudar o mundo, pode ser algo que resolve pequenos problemas.”

4 – Rios de dinheiro

Quem nunca teve uma ideia de negócio, mas desistiu antes mesmo de começar porque não tinha dinheiro para investir? “É um equivoco clássico, achar que precisa de muito dinheiro para começar”, afirma Cordeiro.

O especialista explica que o empreendedor deve, em primeiro lugar, testar a sua ideia em pequena escala (portanto, gastando pouco). “O empreendedor pode não ter recurso nenhum no começo. O que ele precisa é testar sua ideia. Uma vez que ele faz isso de forma estruturada, fica fácil conseguir dinheiro”, diz.

Isso porque, com um teste da sua ideia em mãos, fica muito mais fácil convencer investidores a colocar dinheiro no negócio, conclui o consultor.

5 – Quero ser rico

Empreender para ficar rico é uma ideia bem errada que pode frustrar muita gente. “Muitos empreendedores de sucesso erram duas ou três vezes antes de acertar. Essa é a realidade e o futuro empreendedor tem que ter esse espírito. Ele precisa estar atento para corrigir rotas, e isso pode significar falir um negócio e começar outro”, afirma Cordeiro.

Sendo assim, se você já começa um negócio esperando o dia em que ele vai te deixar rico, talvez seja melhor rever esses planos.

6 – Intuição sem preparo

Confiar na intuição pode ajudar a tomar decisões importantes na vida. Mas você não pode depender apenas dela para ter um negócio de sucesso.

“A intuição é um ponto de partida, mas não resolve todas as questões que surgem no empreendedorismo”, afirma Gilberto Braga, professor de empreendedorismo do Ibmec-RJ.

Na prática, isso quer dizer que não basta você achar que seu negócio vai dar certo. É preciso testar, conversar com possíveis clientes, estudar a região em que você deseja atuar. Ou seja, fazer a lição de casa e o plano de negócios.

7 – O detalhe das contas

Você entende de um setor de mercado e decide iniciar um negócio naquele ramo. Seu produto é bom, elogiado pelos clientes, e você vai bem nos primeiros meses. Até que descobre que terá de fechar as portas.

“Acompanhei um caso de uma pessoa que resolveu montar uma butique. O negócio deu muito certo no início, mas quebrou logo. Isso porque ela não sabia fazer controle de estoque e tirava mais dinheiro do que o negócio suportava. Faltava conhecimento de gestão financeira e administrativa”, conta o professor.

Portanto, não adianta achar que o seu conhecimento de um setor será suficiente para manter o negócio de pé. É preciso saber gerir as finanças da empresa. Caso contrário, não há negócio que resista.

8 – Barato que sai caro

Outro erro comum de empreendedores de primeira viagem é querer economizar do jeito errado, improvisando serviços que deveriam ser feitos por profissionais.

“Isso é muito comum. O empreendedor não procura uma ajuda técnica e recorre a amigos e conhecidos, pois acha que eles farão de graça ou cobrarão um preço simbólico pelo serviço. Porém, às vezes alguns dos improvisos são responsáveis pelo fracasso ou pela redução da margem de ganhos”, alerta Braga.

O professor cita outro caso que conheceu. Uma família que decidiu abrir um bar, mas resolveu não contratar um arquiteto para desenhar o espaço. “Eles mesmos fizeram o projeto do lugar. O resultado foi que a saída dos pratos ficou de frente para o banheiro, gerando transtornos e prejuízos”, conta.

9 – Sonho X Realidade

Muitas vezes, o empreendedor tem um sonho antigo em relação ao seu negócio e faz de tudo para transformar aquilo em realidade quando tem a chance. Porém, é necessário, antes de mais nada, verificar na ponta do lápis se aquele sonho condiz com a realidade do empreendimento que você vai montar.

O professor do Ibmec traz mais um exemplo: “Conheci uma moça que montou uma loja de quinquilharias, daquelas que vendem tudo barato. E ela contratou um marceneiro para fazer todas as prateleiras da loja de madeira com pátina. Ficou lindo, mas o custo era muito alto para o retorno que aquele tipo de negócio dava. Resultado: ela demorou muito mais para reaver seu investimento”.

Para saber se o seu sonho se encaixa com a realidade do negócio que você escolheu, o segredo é ter um plano de negócios bem feito, indica Braga.

10 – Fórmula mágica da franquia

É comum a pessoa ter o sonho de empreender e decidir comprar uma franquia. Porém, muitas vezes, o empreendedor acha que, ao optar por uma marca que já existe, seus problemas acabaram e o sucesso está garantido. Obviamente, não é bem assim. As franquias não são fórmulas mágicas de sucesso.

“É sempre importante o franqueado rever o contrato apresentado pelo franqueador, tanto do ponto de vista jurídico quanto financeiro. Não dá para achar que a franquia é garantia de sucesso”, alerta o professor do Ibmec.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Neusa Elias Oliveira Oliveira

    Resumindo: quem tem dinheiro, ganha mais dinheiro ainda…e quem não tem capital vai fica na miséria.

  2. Enzo Averoldi

    Artigo interessante: faltou mencionar a importância de um plano de marketing para divulgação e administração comercial da marca e seus produtos/serviços.