Vendas no verão salvam ano da Renner

Lucro acima do esperado só ocorreu por conta do quarto trimestre

São Paulo – O ano de 2013 não foi fácil para o varejo. Protestos, Copa do Mundo e um inverno tardio e curto tornaram as vendas de roupas e calçados mornas ao longo de todo o ano.

As Lojas Renner ainda tiveram que lidar com perdas de inventário, ora por conta de um problema no sistema de etiquetas, ora no sistema de alarmes. E, então, veio a coleção de verão.

“Até o fim do terceiro trimestre, nossas margens estavam muito pressionadas e, pelas previsões, nosso resultado seria igual ao do ano passado. Foi no quarto trimestre que os números subiram além da nossa conta”, afirmou José Galló, presidente executivo das Lojas Renner.

A receita líquida com as vendas no terceiro trimestre, por exemplo, chegaram a 903 milhões de reais. No quarto trimestre, foram a 1,3 bilhão.

Os resultados do período, aliados à abertura de novas lojas e ao crescimento do setor de cartões de crédito, levaram a Renner a um resultado anual acima do esperado pelos analistas.

Foram 3,9 bilhões de reais em receitas em 2013, uma alta de 13,1%. O lucro líquido cresceu 14,6% em relação ao ano anterior, chegando a 407 milhões de reais.

Futuro

Para 2014, a Renner espera um crescimento no mesmo patamar do ano anterior, mas ainda se preocupa com a Copa do Mundo, que trará muitos feriados e pode reduzir as vendas.

Para evitar prejuízo, eles pretendem “tirar o atraso” nos meses que antecedem o evento, através de promoções especiais. A empresa espera abrir entre 20 e 30 lojas da Renner, mais 10 unidades da Camicado e 15 da Youcom, marca exclusiva para jovens inaugurada em outubro de 2013.

Além disso, o novo centro de distribuição da rede, em Santa Catarina, deve ser inaugurado no fim do ano, o que deve trazer mais agilidade e corte de despesas, que devem ser sentidos em 2015.