Tecnisa pede ajuda aos universitários para inovar

Construtora lança desafio para encontrar ideias inovadoras para seus projetos

São Paulo – Recorrer a estudantes de nível superior não é apenas uma estratégia para vencer jogos em programas de auditório. Antenados em novidades que nem sequer estão no radar dos demais, curiosos por novas tecnologias e mais ousados, os jovens podem servir como uma importante fonte de novas ideias para as empresas.

Foram esses motivos que levaram a Tecnisa, uma das maiores incorporadoras do país, a desafiá-los em busca de soluções originais para seus projetos.

Durante três meses – de janeiro a abril -, a empresa convidou os universitários a apresentar suas ideias. A iniciativa foi lançada como um desafio aos estudantes cadastrados no Battle of Concepts, um portal dedicado à inovação e dirigido a jovens acadêmicos ou recém-formados com até 30 anos de idade.

Criado na Holanda, em 2006, o portal chegou ao Brasil em junho do ano passado e já promoveu desafios para a Philips, Whirlpool, Vopak e Fundação Pró-Sangue. A Tecnisa solicitou “ideias para melhoria e diferenciação da infraestrutura de tecnologia, lazer ou serviços nas unidades residenciais e condomínios”.

As propostas deveriam melhorar o desempenho financeiro das incorporações ou aumentar o desejo dos clientes em comprar os imóveis.

O Battle of Concepts ficou encarregado de receber, armazenar e classificar as propostas, e a Tecnisa cuidou da seleção. Um comitê de inovação da empresa, composto por 14 pessoas, lia os resumos e selecionava os melhores. Uma vez por semana, a equipe se reunia para discutir as ideias e escolher as melhores.

Das 53 propostas apresentadas, as três mais inovadoras receberam, ao todo, um prêmio de 13 mil reais. O diretor de internet da Tecnisa, Romeo Busarello, conta que foram poucas as realmente inovadoras, mas ele garante que o primeiro lugar excelente. “Nós não podemos divulgar a proposta, pois é algo realmente disruptivo e vamos colocar em prática”, diz.


 Essa não é a primeira vez que a Tecnisa recorre ao público em geral em busca de soluções. Conhecida como open innovation (inovação aberta, em inglês), a prática começou em abril de 2009, quando a empresa propôs discussões no Orkut sobre o projeto Consciência Gerontológica. A incorporadora pediu opiniões e propostas sobre construções inclusivas para idosos e deficientes.

É preciso paciência para garimpar oportunidades valiosas entre as participações. A iniciativa no Orkut rendeu mais de 200 ideias, mas apenas duas foram usadas. “Algumas sugestões são impraticáveis e até bizarras, mas o contato com o público compensa”, afirma Busarello.

 Outra vantagem de se abrir para o público em geral em busca de inovações é que, no meio do caminho, é possível encontrar novos talentos. Isso é particularmente verdade, quando o contato é com os universitários. “Há um apagão de talentos no mercado, e é bom manter um relacionamento com os estudantes”, diz Busarello. Ele vê nos estudantes um segmento muito promissor para este tipo de colaboração.

A inovação aberta é uma prática que parece ter caído no gosto da companhia. Com o fim do desafio da Battle of Concepts, o próximo passo da Tecnisa será o lançamento do www.tecnisaideias.com.br, um site exclusivo para receber sugestões do público, previsto para ir ao ar oficialmente em 1º de junho.