Técnico do Arsenal questiona fair play após mudança de Neymar

Arsène Wenger afirmou que está cada vez mais difícil respeitar as regras do fair play financeiro quando "um país é dono de um clube de futebol"

O técnico do Arsenal, Arsène Wenger, criticou a transferência recorde de Neymar do Barcelona para o Paris Saint-Germain, dizendo que será cada vez mais difícil respeitar as regras do fair play financeiro quando “um país é dono de um clube de futebol”.

O PSG, apoiado pelo acionista majoritário Qatar Sports Investments, assinou um contrato de cinco anos com o atacante brasileiro na quinta-feira depois de pagar a multa rescisória de 222 milhões de euros.

“Para mim, é a consequência das propriedades, e isso mudou completamente toda a paisagem do futebol nos últimos 15 anos”, disse Wenger a repórteres.

“Uma vez que um país é dono de um clube, tudo é possível. Torna-se muito difícil respeitar o fair play financeiro porque você pode ter maneiras diferentes ou interesses diferentes para um país ter um jogador grande assim representando um país”.

A transferência de Neymar mais do que dobrou o recorde mundial anterior de 105 milhões de euros que o Manchester United pagou à Juventus pelo meio-campista Paul Pogba em agosto passado.

Wenger expressou preocupação ainda maior com a incapacidade de se controlar o mercado de transferências, descrevendo as avaliações atuais dos jogadores como “além do cálculo e além da racionalidade”.

“Também parece que a inflação está acelerando. Cruzamos a linha dos 100 milhões de euros no ano passado e, só um ano mais tarde, estamos cruzando a linha dos 200 milhões de euros”, acrescentou o francês.

“Quando você pensa que Trevor Francis foi o primeiro jogador de um milhão de libras esterlinas (em 1979) e que isso pareceu insensato, isso mostra quanta distância e quão longe chegamos, o que o grande futebol se tornou”.

O Arsenal quebrou seu próprio recorde de transferência quando assinou com o atacante da seleção francesa Alexandre Lacazette pelo valor estimado em 61,11 milhões de dólares, mas Wenger insiste que seu time não consegue competir com os clubes mais ricos.

“Nós ainda vivemos com racionalidade”, acrescentou. “Não somos os únicos. Acho que 99 por cento dos clubes fazem isso, mas é claro que não conseguimos competir nesse nível”.

Campeão da Copa da Inglaterra, o Arsenal inicia sua temporada disputando a final da Supercopa da Inglaterra contra o Chelsea, atual campeão da liga inglesa, no domingo.