Samsung processa Huawei por infringir seis patentes na China

Samsung abriu ação na China contra a Huawei alegando infração de seis de suas patentes de telecomunicação e armazenamento de dados

Seul – O gigante tecnológico sul-coreano Samsung Electronics anunciou nesta sexta-feira que processou na Justiça da China sua grande concorrente neste país, a Huawei, por considerar que esta infringiu seis de suas patentes sobre redes de telecomunicações e sistemas de armazenamento de dados.

A iniciativa judicial da Samsung representa um novo capítulo na batalha que mantêm em tribunais de vários países com a Huawei, terceira em nível global em volume de vendas.

A empresa com sede em Suwon acusa sua rival chinesa de infringir seis de suas patentes registradas sobre tecnologia de transmissão de dados para telefones celulares, armazenamento digital e sistemas de processamento de imagens, entre outras, segundo informou em comunicado citado pela agência de notícias “Yonhap”.

Em sua nota, a Samsung também acusa Huawei de ter apresentado “exigências irracionais” contra ela, e criticou a empresa por infringir seus designs registrados para smartphones e tablets.

No dia 25 de maio, a Huawei anunciou a apresentação de dois processos contra a Samsung por violação de 12 patentes sobre telefonia celular, que foram interpostas em Shenzhen (sul da China) e em um tribunal federal do norte da Califórnia (EUA).

No mesmo dia, o vice-presidente da divisão de propriedade intelectual da Samsung, Seungho Ahn, afirmou que a companhia planejava empreender medidas jurídicas contra Huawei para “defender seus interesses comerciais”, em declarações aos veículos de imprensa sul-coreanos.

A Huawei decidiu levar o caso aos tribunais após não ter conseguido um acordo com Samsung nas negociações sobre oito patentes de padrões de redes móveis e outras quatro sobre smartphones, segundo explicações da companhia chinesa.

Durante o primeiro trimestre do ano, a Samsung se manteve como líder mundial dos telefones celulares com 81,8 milhões de unidades vendidas e 23,2% do mercado global, seguido da americana Apple (14,8%) e da Huawei (8,3%).