Rodopa terá de vender marca para findar acordo com JBS

A Rodopa é dona de três marcas de carne in natura - Premy, Santa Fé e Tatuibi - e terá de vender uma delas para repassar à JBS a administração de frigoríficos

Brasília – O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) determinou nesta quarta-feira que para concluir o arrendamento de três frigoríficos para a JBS a Rodopa Indústria e Comércio de Alimentos terá de se desfazer de uma das suas marcas. A transação foi anunciada em 2013.

A Rodopa é dona de três marcas de carne in natura – Premy, Santa Fé e Tatuibi – e terá de vender uma delas para repassar à JBS a administração das unidades de abate e desossa bovinas em Santa Fé do Sul (SP), Cassilândia (MS) e Cachoeira Alta (GO).

A decisão foi aceita pela empresa em acordo firmado com o Cade. A empresa também está proibida de alugar outras unidades para a JBS. A Rodopa mantém mais dois frigoríficos no interior de São Paulo.

A JBS também fica proibida de adquirir ou arrendar novas unidades em Estados onde mantém posição de liderança de mercado e deve informar ao Cade qualquer movimento de aquisição ou locação de novos frigoríficos em regiões onde não tem participação de liderança.

A JBS também não terá preferência na compra dos ativos arrendados da Rodopa, caso a empresa opte por vendê-los. Fundada em 1958, em Limeira (SP), a Rodopa foi controlada pela família Bindilatti até setembro de 2012.

Naquele ano, o então diretor geral Sérgio Longo adquiriu a empresa, assumindo dívida de R$ 160 milhões e ativos e imóveis avaliados em R$ 20 milhões. Longo, que foi diretor financeiro da JBS, negociou a locação dos frigoríficos à JBS em dezembro de 2013.