Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Incêndio na Reduc reflete falta de manutenção da Petrobras, denuncia sindicato

O incêndio na refinaria ocorreu uma semana após a contaminação de funcionários por água ácida

São Paulo – A Petrobras classificou como pequeno o incêndio que atingiu hoje (26) de madrugada uma das unidades de destilação de petróleo da Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), na baixada fluminense, e informou que não foram registrados danos. A expectativa é retomar a produção nas próximas horas. Segundo o Sindicato dos Petroleiros de Caxias, não há registro de feridos.

O foco foi controlado pelos funcionários e não há risco de desabastecimento de combustível. Uma das possíveis causas do incêndio é a falta de manutenção em um dispositivo de segurança, a bomba de carga, como denunciou o secretário-geral do sindicato, Sérgio Abbade. De acordo com ele, a unidade que pegou fogo é uma das mais antigas da refinaria, inaugurada em 1962. A Petrobras não comentou a denúncia.

“Isso é falta de manutenção efetiva”, afirmou Abbade. “O certo era parar a bomba [de carga] e fazer uma manutenção preventiva. Isso não é feito. Só são feitas manutenções corretivas por causa da falta de pessoal”, completou. Para os petroleiros, com a falta de pessoal qualificado, falhas que fogem do controle da operação, como a eventual falta de energia que deixa as unidades sem comunicação, podem gerar acidentes. O sindicato reconhece que a Petrobras vem tentando recompor seus quadros nos últimos anos, esvaziados por políticas de governos anteriores, mas a renovação é muita lenta.

O incêndio na refinaria ocorreu uma semana após a contaminação de funcionários da Reduc por água ácida. Um inquérito da Polícia Civil vai investigar se a água destinada para consumo no local tinha substâncias como amônia, gás sulfídrico e querosene