Presidente de banco austríaco renuncia após Panama Papers

Presidente do Hypo Vorarlberg anunciou a renúncia, mas insistiu que a instituição não desobedeceu à lei

Viena – Michael Grahammer, presidente do Hypo Vorarlberg, um dos dois bancos austríacos citados nos Panama Papers, anunciou sua renúncia, mas insistiu que a instituição que comandou não descumpriu a lei, informou nesta quinta-feira a imprensa local.

“Finalmente, a pré-condenação midiática contra o Hypo Vorarlberg e minha pessoa nos últimos dias foi decisiva para que eu tomasse essa decisão”, afirmou Grahammer em comunicado emitido ontem e que foi apresentado hoje nos veículos de imprensa austríacos.

Os documentos vazados nos Panama Papers indicam que o banco tem envolvimento com 20 companhias abertas em paraísos fiscais.

Em 2012, o Hypo Vorarlberg foi investigado pela Autoridade de Supervisão do Mercado Financeiro da Áustria devido a sua suposta vinculação com um empresário russo próximo do presidente Vladimir Putin, e que está presente na lista de sanções imposta pelos Estados Unidos devido ao conflito na Ucrânia.

Essa investigação foi arquivada em 2013 por falta de provas.

“Estou convencido 100% que, em nenhum momento, o banco violou qualquer lei”, disse Grahammer ao apresentar sua renúncia. Além disso, o executivo garantiu que se trata de uma decisão pessoal e que ela vinha amadurecendo há meses.

Do conjunto total de acionistas do Hypo Vorarlberg, 76% é capital público, já que pertencem ao estado federado austríaco de Vorarlberg.

Um segundo banco austríaco, o Raiffeisen Bank International, também aparece nos Panama Papers.