Renova Energia freia busca por novo sócio após venda de ativo

A Cemig, principal acionista da Renova, convocou uma reunião de seu Conselho para aprovar a venda do complexo Alto Sertão II à AES Brasil

São Paulo – A iminente venda de um parque eólico pela Renova Energia deverá fazer com que a empresa de geração renovável coloque um freio por tempo indeterminado na busca por um novo sócio, disse à Reuters uma fonte com conhecimento direto do assunto nesta quarta-feira.

De acordo com a fonte, a elétrica mineira Cemig, principal acionista da Renova, convocou uma reunião de seu Conselho de Administração para aprovar mais tarde nesta quarta-feira a venda do complexo Alto Sertão II à AES Brasil, unidade local da norte-americana AES Corp, por 700 milhões de reais, e a transação poderá ser anunciada na quinta-feira.

Procurada, a Renova disse que não iria comentar o assunto. A AES Brasil não comentou imediatamente. A Cemig não respondeu imediatamente pedidos de comentário.

A transação, se confirmada, reduz a pressão sobre a Renova, que vinha procurando um novo sócio desde o final de 2015, quando a norte-americana SunEdison anunciou em meio a uma crise financeira que não iria seguir adiante com um plano de compra de ativos e participação acionária na empresa de renováveis brasileira.

Com um plano de investimentos bilionário para os próximos anos, a Renova passou a exigir aportes de capital dos acionistas, ao mesmo tempo em que anunciava a suspensão de projetos e cortes de pessoal para reduzir custos e aportes previstos.

Segundo a fonte, a venda de Alto Sertão II dará à companhia oxigênio suficiente para continuar sem um novo sócio por ora, “uma vez que resolve qualquer preocupação financeira no curto e médio prazo”.

Os recursos obtidos com a transação serão utilizados para concluir as obras de uma nova usina que já está em fase final de construção, o complexo Alto Sertão III, com 400 megawatts, segundo a fonte.

Parte do dinheiro ainda será utilizada para pagar dívidas a vencer.

A Reuters havia noticiado em junho que a Renova buscava novos parceiros para se juntar a seu bloco de controle. A busca por investidores chegou a atrair o interesse de grandes elétricas internacionais, mas não fechou nenhum acordo.

Uma fonte em empresa estrangeira que chegou a avaliar o negócio disse que a Renova tinha “muitos problemas”, como obras em atraso, o que dificultava o fechamento de um negócio.

As ações da Renova operavam em alta de 1,88 por cento, a 6,51 reais por Unit às 15:06, com leve alta após a publicação pela Reuters da informação sobre o negócio com a AES Brasil.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s