Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Petrobras fará cortes de cargos e gerências, dizem fontes

Segundo fontes, a estatal deve anunciar amanhã um programa de cortes de cargos, incluindo gerências

Rio de Janeiro – A Petrobras deve anunciar na quinta-feira um programa de cortes de cargos, incluindo gerências, visando adequar a empresa a uma nova realidade de preço baixo do barril de petróleo, menores investimentos da estatal e economia em ritmo lento, disseram à Reuters duas fontes da companhia.

O presidente da estatal, Aldemir Bendine, será o porta-voz desse programa de cortes. Na noite desta quarta, a empresa informou que Bendine vai conceder entrevista coletiva na manhã de quinta-feira.

“A ideia é cortar algo próximo de 30 por cento das gerências. Tantas gerências provocam custos e engessam mais a empresa”, afirmou à Reuters uma fonte, sob condição de anonimato. “O trabalho que está sendo feito visa adequar o tamanho da companhia à realidade de mercado. Aparentemente, essa redução pode ser ruim para as pessoas, mas será bom para a saúde da companhia… a companhia terá mais flexibilidade e economizará alguns milhões com a medida”, acrescentou outra fonte, que também pediu para não ser identificada.

O estudo para enxugar a empresa começou ainda no ano passado, mas foi acelerado a partir das consequências causadas pela operação Lava Jato, que investiga esquema de corrupção na estatal, pela forte queda do barril de petróleo e pela redução nos investimentos da estatal. Paralelamente, havia também um estudo sobre a possibilidade de criar vice–presidências na empresa que hoje é dirigida por um presidente e alguns diretores.

Por conta desse cenário, o Plano de Negócios 2015-2019 foi revisado para baixo este ano para 98,4 bilhões de dólares. O plano anterior, divulgado em junho de 2015, apontava para investimentos de 130,3 bilhões de dólares.

“Entende-se que esforços precisam ser feitos para colocar a companhia novamente nos eixos e nos trilhos daqui a 2 ou 3 anos”, declarou uma das fontes.