Para CESP, redução de vazão no Jaguari não foi irregular

Companhia atendeu solicitação do Departamento de Águas e Energia Elétrica e não provocou prejuízo de abastecimento à região do Vale do Paraíba, disse diretor

São Paulo – A diretoria da CESP afirmou nesta quarta-feira, 20, que não cometeu qualquer irregularidade ao reduzir a vazão da usina do Rio Jaguari.

De acordo com o diretor Financeiro da CESP, Almir Martins, atualmente também no cargo de presidente interino, a companhia atendeu uma solicitação do Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee) e não provocou qualquer prejuízo de abastecimento à região do Vale do Paraíba.

“Recebemos um ofício do Daee no dia 1º de agosto determinando a manutenção da vazão do Jaguari em 10 metros cúbicos por segundo (m3/s). No mesmo dia demos ciência ao Operador Nacional do Sistema (ONS) requerendo que o operador implementasse aquilo que foi determinado pelo Daee. No primeiro momento, o operador não aceitou esta posição e na terça-feira (5/8) recebemos um segundo ofício dizendo que o abastecimento humano estava comprometido na região do Jaguari. Então, em cumprimento da lei, implantamos a determinação do Daee e notificamos o operador no mesmo dia”, sintetizou Martins.

A decisão provocou “certo desconforto” entre a CESP e o ONS, confirma o executivo, mas o tema, na visão da estatal paulista, já está resolvido desde a segunda-feira, dia 18.

Na oportunidade, representantes de diferentes órgãos do governo federal e do governo de São Paulo chegaram a um consenso sobre o tema.

Conforme noticiado pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, naquele dia, ficou acordado que a vazão do Rio Jaguari subiria de 10 m3/s para 43 m3/s.

A vazão do Rio Paraibuna, sob gestão federal, cairia de 80 m3/s para 47 m3/s.

Além disso, ficou estabelecido que o volume de água que chegará à barragem de Santa Cecília, no Rio de Janeiro, será reduzido de 165 m3/s para 160 m3/s a partir de 10 de setembro.

Hoje, explica o executivo, a vazão do Jaguari está em 42 m3/s. Já a vazão do Paraibuna está em 49 m3/s, totalizando assim um montante de 91 m3/s.

“Por conveniência elétrica, volume de água necessária para gerar energia elétrica”, disse. “E agora vamos ter um acompanhamento mais equilibrado em relação aos dois reservatórios”, complementou.

Questionado se a CESP sofreu qualquer tipo de penalidade por contrariar a determinação do ONS em relação ao nível de vazão do Jaguari, Martins afirmou que a estatal paulista não sofreu qualquer punição.