A Visa, empresa de pagamentos eletrônicos e patrocinadora da Copa do Mundo de 2010, lançou nesta terça-feira (15/09) um game de futebol e finanças gratuito, batizado de Bate-Bola Financeiro, em parceria com a Federação Internacional de Futebol (FIFA). O jogo tem o objetivo de ajudar crianças, jovens e adultos a aprenderem conceitos de finanças pessoais enquanto se divertem.

Com a mesma estrutura dos vídeo-games de futebol atuais, o usuário tem a opção de jogar com o computador ou contra um amigo, além de poder escolher as seleções para a disputa. O diferencial é que para efetuar os passes e chutes durante a partida, o usuário deve responder a uma questão de economia, que varia entre fácil, médio e difícil. Caso a pessoa erre a resposta, automaticamente o adversário rouba a bola.

O projeto é uma versão nacional de um programa global de educação financeira da Visa internacional que existe desde 2005. O novo conceito, lançado primeiramente no Brasil, está em aliar o futebol à economia. Posteriormente, o jogo será lançado em mais de 16 países ao redor do mundo. "O Bate-Bola Financeiro foca na paixão brasileira pelo futebol para ajudar a população, principalmente da classe C, a aprender sobre finanças", afirmou o diretor-geral da Visa do Brasil, Rubén Osta.

A operadora busca parceiros interessados em disseminar o programa e ajudar a promover a inclusão da educação financeira para seus respectivos públicos-alvo. O game estará no site de todas as empresas parceiras e já está disponível no portal Finanças Práticas (www.financaspraticas.com.br). Entre algumas instituições que apóiam o projeto estão: a Fundação Gol de Letra, idealizada pelo ex-jogador Raí; escola de goleiros Fechando o Gol, do Zetti; Projeto Viver, entre outras empresas e ONGs. Além de instituições financeiras, como Banco do Brasil; Credicard; Citi; Porto Seguro Cartões e Associação Comercial do Estado de São Paulo (ACSP).

Segundo Osta, a Visa está negociando com uma prefeitura importante do Estado de São Paulo para conseguir levar o programa de forma efetiva às salas de aula. Segundo ele, a meta é atingir 10 milhões de pessoas no mundo todo até 2013. "Compartilhar um conhecimento dessa importância não tem preço", afirmou o ex-jogador de futebol Raí.

De acordo com o Osta, o negócio não terá investimento em publicidade direta. A disseminação será feita somente por meio de parcerias.