São Paulo - As aéreas Continental e United Airlines anunciaram nesta segunda-feira, nos Estados Unidos, uma fusão de 3,17 bilhões de dólares.  Se aprovada na lei anti-trust e pelos acionistas, a nova empresa - que deverá manter a marca United Airlines - será a maior do mundo no setor de transporte aéreo, de acordo com a imprensa americana.

Segundo o site do jornal The New York Times, o novo negócio deverá marcar presença nos maiores mercados domésticos americanos, como Nova York, Chicago e Los Angeles, além de ampliar o número de voos para Ásia, América Latina e Europa.

Ao todo, a nova holding deverá transportar mais de 144 milhões de passageiros por ano, que devem se deslocar entre 370 destinos diferentes, em 59 países.

Devendo ser concluída até o final do ano, a fusão é encarada como uma forma das duas companhias enfrentarem a competição das empresas low-cost e de aumentarem suas participações no mercado internacional.

O presidente da Continental, Jeffery A. Smisek, deverá chefiar a nova empresa, e a fusão poderá permitir que a United assuma o posto da Delta Air Lines, antes considerada a maior aérea americana.

De acordo com a empresa, cada 1,05 ação da United será trocada por uma ação da Continental, o que dará aos acionistas da United 55% da nova companhia.

Mau sinal para os consumidores
A fusão poderá prejudicar o bolso dos consumidores. De acordo com especialistas ouvidos pelo The New York Times, a nova empresa deve cortar capacidade, o que diminui o número de assentos no mercado de aviação civil nos EUA. Com isso, a empresa pode ter uma justificativa para aumentar os preços.

Além disso, já que estão juntas, a United e a Continental não devem competir nas mesmas rotas, oferecendo menos opções para os consumidores.

Por enquanto, a nova holding nega que vá elevar suas taxas.

Marca
A nova marca será uma combinação das duas companhias. Os aviões deverão ter os traços da Continental, mas os logos e as cores serão utilizados com o nome da United.

O slogan da campanha da fusão se chama “Let’s Fly Together” ou, em tradução para o português, “Vamos Voar Juntos”. A sede da nova holding será em Chicago, mas deve manter uma presença significativa em Houston.
 

Tópicos: Aviação, Setores, Setor de transporte, Estados Unidos, Países ricos, Fusões, Fusões e aquisições