São Paulo – Já ganhou ares de leilão a provável venda de Neymar a um clube europeu. A disputa entre o Real Madrid e o Barcelona já chutou o valor do negócio a estimados 60 milhões de euros (cerca de 142 milhões de reais). Uma fortuna equivalente a mais de 50 anos de trabalho de presidentes executivos que atuam no Brasil, considerando o seu salário médio. Mas Neymar será um dos que menos ganharão no negócio. O grosso do dinheiro irá para outros bolsos.

Neymar, pode-se dizer, tem três “donos” – os investidores que detem seus direitos econômicos. O maior dele sé o próprio Santos, que deve receber pelo menos 55% do valor da transação (ou 33 milhões de euros). E o clube poderia lucrar ainda mais. Isto porque seu principal sócio nos direitos de Neymar é a DIS, com 40% de participação.

A DIS é a empresa de negócios esportivos de Delcir Sonda, o dono da rede de supermercados Sonda. E uma de suas principais fontes de lucro. Delcir é dono, entre outros, de 45% do passe de outra estrela do Santos, Paulo Henrique Ganso. Em sua carteira, também constam jogadores como D’Alessandro, do Internacional, e Dentinho, do Corinthians.

Dependendo da vontade da DIS de vender Neymar, a empresa pode abrir mão de parte de seus direitos em prol do Santos, com o objetivo de convencer o clube a liberar o jogador. E este é o verdadeiro jogo de bastidores envolvendo a transferência do atacante para a Europa.

Fica, Neymar

É público que o Santos não quer vender o jogador. Pessoas próximas dizem que, para o time, o melhor seria ter um contrato vitalício com o Neymar, já que o craque garante o crescimento da torcida. No meio futebolístico, diz-se que até o filho da presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, após o último jogo entre Flamengo e Santos, falou para a mãe que torcia para o Peixe – por causa do Neymar. 

Verdade ou boato, a história exemplifica um fato: nos últimos 19 meses, o Santos conquistou 20.000 novos sócios. O total é superior aos 18.491 novos associados dos dez anos anteriores. Entre 2009 e 2010, o patrocínio e a publicidade cresceram 12 milhões de reais. A bilheteria aumentou 9,1 milhões de reais. O clube social e amador subiu 2,4 milhões de reais. 

 “Para o Santos é muito mais negócio manter Neymar do que vendê-lo por 100 milhões de reais. Isso ele faz em um ano e meio em marketing”, disse Amir Somoggi, diretor da área de consultoria esportiva da BDO CRS. O jogador tem potencial para gerar entre 30 e 40 milhões de reais por ano, segundo o consultor. Ele calcula que, até 2014, ano de Copa do Mundo no Brasil, a tendência é de crescimento do valor que o craque pode agregar ao time.

Efeito moicano

Entre 2009 e 2010, o faturamento do Santos cresceu 65% - passou de 70 milhões de reais para 116,5 milhões de reais. Excluído o crescimento da receita com a venda de jogadores, o valor aumentou 30 milhões de reais. Esse crescimento pode ser diretamente relacionado ao Neymar, segundo Somoggi. “O Santos fatura muito pouco perto do que pode faturar, mas vem de estagnação ao longo dos anos”, disse.

Para Clarisse Setyon, professora de Marketing Esportivo da ESPM, o Santos perderia torcedores sem o Neymar, além de visibilidade e do dinheiro investido na formação do jogador. “Diz a lenda que uma torcida só aumenta de tamanho de forma relevante a cada dez anos”, disse Seyton.

Da mesma forma que o Santos poderia perder bilheteria, com um menor número de torcedores em campo, as redes de TV que transmitem os jogos também poderiam perder audiência. “As pessoas, mesmo não santistas, tem tentado seguir todos os jogos”, disse Seyton. Em 2009, quando Neymar era reserva, foram transmitidos 227 jogos do Santos, entre tv aberta, por assinatura , pay per view e reprises. Quando ele tornou-se titular, no ano seguinte, foram 378.

O jogador também deu espaço para o time na mídia. Em 2009, entre janeiro e junho, o valor relativo do espaço ocupado pelo Santos na mídia era de 801 milhões de reais. O valor foi para 1,598 bilhão no mesmo período de 2011. A informação é da Informídia Pesquisas Esportivas. 

Os atuais patrocinadores do Santos e de Neymar também sairiam perdendo com uma possível venda, segundo Clarisse, da ESPM. Nessa peneira, estão BMG, Netshoes, CSU, Seara e Umbro. Mesmo as empresas que já atuam no exterior, provavelmente, teriam que renegociar os acordos. Entre os patrocinadores individuais de Neymar, estão Nike, Red Bull, Panasonic, Nextel, Tenys Pé Baruel e Lupo. Neymar deve estrelar a próxima propaganda do Ministério do Turismo e negocia um outro contrato – ainda não fechado - de 2,5 milhões de reais, com duração de um ano e meio, segundo pessoas próximas ao jogador. 

O dono da bola

Tudo somado, quem mais ganharia com a venda de Neymar é Delcir Sonda, segundo Somoggi, da BDO CRS. O DIS não nega seu interesse na transação, mas procura mostrar tranquilidade. “Para nós é indiferente quando ele será vendido, pois sabemos que ele será vendido”, disse Thiago Ferro, diretor executivo da DIS. De qualquer modo, o executivo acredita que a venda não vá ocorrer agora, já que a janela de transferências para a Europa já fechou.

E Neymar, o que ganha nisso? As recentes ofertas ainda não geraram um novo – e mais polpudo – salário para o jogador, mas isso ainda pode acontecer. De prático, Neymar receberá 10% dos direitos econômicos obtidos pelo Santos na transação. Ou seja, cerca de 3,3 milhões de euros (cerca de 8 milhões de reais), se o negócio for fechado por 60 milhões. Isso dá 5,5% do total do acordo. Ok, ainda equivale a três anos de salários dos maiores executivos do país, mas é praticamente o mesmo que a Teisa, com 5% de seus direitos econômicos, levaria. A Teisa é um grupo de investimentos ligados à gestão do Santos.

Ronaldo versus Neymar

O faturamento do Santos saltou de 70 milhões de reais em 2009 para 116,5 milhões de reais em 2010. Os valores de 2011 ainda são desconhecidos, mas incluem o prêmio da Libertadores. Somoggi, da BDO CRS, acredita que o time pode fechar o ano com 130 milhões de reais. No próximo ano, o clube comemorará seu centenário, e os valores podem subir ainda mais, na previsão do consultor. 

Essa escalada do faturamento aconteceu recentemente com o Corinthians, após a entrada de Ronaldo no time e a festa de seu centenário. Em 2007, o Corinthians havia faturado 63 milhões de reais. Em 2010, foram 177 milhões de reais.

A última palavra nas negociações é de Neymar, segundo pessoas próximas. Mesmo que o jogador tenha essa liberdade, na hora do Santos convencê-lo a ficar, o time joga pesado. Em recente negociação, Pelé conversou com o jogador por telefone, dando sua opinião – favorável ao Santos, claro. A equipe da Baixada Santista também apelou para os atletas-heróis nacionais, como Senna, e sugeriu que Neymar poderia ocupar essa vaga no imaginário nacional.

Pessoas próximas às negociações acreditam que o jogador ficará no time até, pelo menos, meados de 2012. O Santos teria, então, seis meses para aproveitar a imagem do jogador no ano de seu centenário. Para o clube, o foco de interesse está no crescimento da torcida e, consequentemente, da receita. O DIS embolsará, então, seus 40%. E Neymar poderá seguir sua carreira na Europa – um passo fundamental para se projetar no mundo da bola. Ainda que a maior parte dos milhões de reais de sua transferência fique no Brasil.

Tópicos: Jogadores de futebol, Esportes, Negociações, Parcerias empresariais, Santos Futebol Clube, Futebol